Grupo do Whatsapp Cuiabá
Agronegócio

Setor Sucroenergético se Adianta na Compra de Fertilizantes para Proteção de Margens

2024 word2

Recente análise da Pecege Consultoria e Projetos revela que o setor sucroenergético brasileiro intensificou suas compras de fertilizantes no de 2024, atingindo 22% do volume total negociado no ano anterior, comparado a apenas 12% no mesmo período de 2023.

O movimento foi motivado por dois principais fatores: a expectativa de uma safra com menor e as oscilações positivas nos preços dos nutrientes, que geraram apreensão entre os compradores. Esses elementos combinados reduziram o poder de dos produtores, levando-os a garantir um maior volume de fertilizantes antecipadamente para evitar perdas futuras.

Os estados de Mato Grosso do Sul e Paraná destacaram-se pela maior diferença nas compras entre os períodos analisados, alcançando 39% do volume total de 2023 no primeiro trimestre de 2024, em contraste com 17% no mesmo período do ano anterior. São Paulo, principal região produtora de cana-de-açúcar, também registrou um aumento significativo nas compras no primeiro trimestre de 2024, com um acréscimo de 4 pontos percentuais em relação ao ano passado.

Gabriel Casarotti, analista de Insumos do Pecege, ressalta que o mercado de no Brasil tem experimentado distintas dinâmicas nos últimos anos. Após alcançar picos históricos de preços entre 2021 e 2022, os valores de defensivos e fertilizantes retornaram aos níveis pré-pandemia a partir de 2023. Esse cenário provocou mudanças significativas nas estratégias de compra dos consumidores, que antes optavam por antecipações e aumento de estoques, mas passaram a ajustar contratos à medida que os preços de mercado declinavam.

Em relação aos defensivos químicos, as aquisições de herbicidas e fungicidas no primeiro trimestre de 2024 apresentaram um leve aumento de 2 pontos percentuais em comparação ao mesmo período de 2023. Por outro lado, as compras de inseticidas diminuíram 4 pontos percentuais neste ano, refletindo ajustes nas estratégias de compra dos produtores.

O movimento de redução de contratos e estoques observado inicialmente para a safra 2023/24 se reverteu no primeiro trimestre de 2024, especialmente no setor sucroenergético. Já o setor graneleiro ainda enfrenta desafios, com atrasos nas compras de insumos devido aos baixos preços de e milho nos últimos meses.

Fonte: portaldoagronegocio

Sobre o autor

Avatar de Redação

Redação

Estamos empenhados em estabelecer uma comunidade ativa e solidária que possa impulsionar mudanças positivas na sociedade.