Política

Zucco admite culpa: governo cancela leil√£o de arroz

2024 word2

Autor do requerimento que pede a instala√ß√£o da Comiss√£o Parlamentar de Inqu√©rito () do ‚ÄúArroz√£o‚ÄĚ, o deputado federal Luciano Zucco (PL-RS), disse, nesta ter√ßa-feira, 11, que a decis√£o do governo do presidente Luiz In√°cio Lula da Silva em anular o leil√£o de arroz √© uma ‚Äúconfiss√£o de culpa‚ÄĚ.

Como mostrou , h√° pouco, . Um novo leil√£o ser√° realizado.

No leil√£o, o governo arrematou 263.730 toneladas de quatro empresas, por R$ 1,3 bilh√£o. ‚ÄúN√£o tem como a depositar dinheiro p√ļblico sem termos as reais garantias de que o leil√£o e esses contratos posteriores ser√£o honrados‚ÄĚ, completou Pretto.

Zucco destacou que ir√° continuar coletando assinaturas para a instala√ß√£o da CPI. At√© a √ļltima atualiza√ß√£o desta reportagem, o requerimento contava com 78 assinaturas das 171 necess√°rias.

‚ÄúEsse recuo, essa desist√™ncia √© algo muito negativo para o governo‚ÄĚ, ponderou o deputado a jornalistas na sede da Frente Parlamentar da Agropecu√°ria (FPA). ‚ÄúEles verificaram algo de errado e temos que analisar de forma muito clara por meio da CPI.‚ÄĚ

Neste momento, o deputado pede apoio aos membros da FPA, na reunião que ocorre na sede da bancada, em Brasília. O governo Lula escolheu importar arroz dias depois do início das enchentes no Rio Grande do Sul, responsável por 70% da produção nacional do grão.

O Estado, no entanto, j√° havia colhido 80% do cereal. Produtores rurais e especialistas disseram que a compra de arroz era desnecess√°ria, pois n√£o havia risco de desabastecimento.

Em 7 de maio, o ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, disse que o governo decidiu comprar arroz para evitar a alta de preços diante da dificuldade que o Estado passava para transportar o grão para o país.

Há pouco, Fávaro anunciou que o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller, colocou o cargo a disposição e foi demitido. Há suspeitas da relação dele com sócios das empresas que intermediaram o certame.

Depois do leil√£o do arroz diversas den√ļncias apareceram. Entre elas, o poss√≠vel uso de empresas de fachada. O caso que chama mais a aten√ß√£o √© o da principal vencedora do leil√£o, a empresa Wisley A. de Sousa.

Na √ļltima quinta-feira 6, Conab realizou um leil√£o em que conseguiu firmar a de cerca de 263 mil toneladas de arroz. Conforme mostrou uma reportagem de , .

No leil√£o da Conab, essa empresa que comercializa queijos conseguiu um contrato para importar 147,3 mil e receber em troca R$ 736,3 milh√Ķes.

A Conab firmou contratos para aquisição de quase 264 mil toneladas de arroz no leilão de quinta-feira. Ao todo, quatro empresas conseguiram os lotes. Além da Wisley, também estão nessa lista: Zafira Trading (73,8 mil toneladas), ASR Locação de Veículos e Máquinas (112,15 mil toneladas) e Icefruit (98,7 mil toneladas).

A companhia alega que o leil√£o √© necess√°rio para evitar o desabastecimento e o impacto econ√īmico com o desastre causado com a enchentes no Rio Grande do Sul. Contudo, os n√ļmeros da pr√≥pria Conab mostram que a maior parte da colheita ocorreu antes das inunda√ß√Ķes e que a safra ga√ļcha de arroz ser√° maior que a anterior.

Fonte: revistaoeste

Sobre o autor

Avatar de Redação

Redação

Estamos empenhados em estabelecer uma comunidade ativa e solidária que possa impulsionar mudanças positivas na sociedade.