Grupo do Whatsapp Cuiabá
Política

Sindicatos recorrem ao STF contra implantação de escolas cívico-militares no Rio Grande do Sul

2024 word2

O Supremo Tribunal Federal (STF) recebeu de sindicatos uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI 7682) contra o projeto que permite o programa de escolas cívico-militares no Rio Grande do Sul.

A ação foi apresentada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em (CNTE) e pelo Centro dos Professores do Estado do Rio Grande do Sul. O caso está sob a relatoria do ministro Dias Toffoli.

A Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul aprovou em abril o projeto que institui o Programa das Escolas Cívico-Militares nas escolas úblicas. Os autores do projeto afirmam que a medida pretende regulamentar a atuação das instituições de ensino que já adotam o tipo de ensino. Também quer incluir de forma regular outras que queiram aderir ao modelo.

O governador Eduardo Leite manteve no RS o modelo de escolas cívico-militares em 2023, mesmo depois de o ter encerrado o programa nacionalmente. O Estado possui 69 escolas cívico-militares, segundo a Secretaria Estadual da Educação (Seduc).

Desse total, 46 escolas municipais participam de um programa estadual, enquanto outras 23 participaram do Programa de Escolas Cívico-Militares (Pecim). Estas últimas incluem 13 escolas estaduais e dez municipais.

A ação foi protocolada na segunda-feira 8. Nela, os sindicatos alegam que a inclusão de policiais militares monitores nas escolas estaduais ultrapassa as atribuições constitucionais dessa categoria.

As entidades também sustentam que o modelo cívico-militar, fundamentado na hierarquia e na disciplina, “enfraquece os princípios da livre escolha de cátedra e do livre aprendizado”.

Fonte: revistaoeste

Sobre o autor

Avatar de Redação

Redação

Estamos empenhados em estabelecer uma comunidade ativa e solidária que possa impulsionar mudanças positivas na sociedade.