Grupo do Whatsapp Cuiabá
Economia

Varejo no Rio Grande do Sul tem aumento de 7% em junho: Pesquisa revela dados promissores.

2024 word2

O , divulgado nesta quarta-feira, 10, mostrou que este setor do comércio do Rio Grande do subiu 7% em junho de 2024, em comparação com o mês anterior, maio. 

enfrentou e enchentes no quinto mês do ano, fato que fez a atividade recuar 1,1% no comparativo de 12 meses. Embora a pesquisa mostre alta, o pesquisador econômico e cientista de dados Matheus Calvelli avalia que somente dados de julho podem confirmar a tendência. 

“O comércio do Rio Grande do Sul apresentou forte desempenho nos primeiros 15 dias de junho, mas estabilizou ao longo do mês”, disse Calvelli. “Ainda será preciso esperar os dados de julho para confirmar a recuperação no varejo gaúcho.” 

YouTube videoYouTube video

Além do Rio Grande do Sul, como está o varejo no Brasil? 

Empreendedorismo bate recorde no Estado de São PauloEmpreendedorismo bate recorde no Estado de São Paulo
O Setor De Tecidos, Vestuário E Calçados Registrou Alta Mensal De 0,6% | Foto: Reprodução/Pixabay

O Rio Grande do Sul teve o segundo melhor desempenho do país em junho, atrás somente do Maranhão, que registrou alta de 9,1%. Outros oito Estados se destacaram com positivos no mês. São eles: Amazonas (6,1%), Roraima (5,2%), Pará (2,2%), Sergipe (2%), Acre (0,8%), Mato Grosso (0,5%), Mato Grosso do Sul (0,1%) e Pernambuco (0,1%).

Enquanto houve estabilidade de 0,0% no Rio Grande do Norte, Minas Gerais e Distrito Federal, as outras 14 Unidades Federativas tiveram resultados negativos. Entre elas, as que registraram os maiores déficits foram Rondônia (-13%), Alagoas (-9,9%), Piauí (-5%), Santa Catarina (-3,8%), Ceará (-3%), Amapá (-1,6%), Paraíba (-1,6%), Bahia (-1%), Paraná (-0,8%) e Santo (-0,8%).

A pesquisa da Stone mostra ainda que o setor do varejo no Brasil cresceu 0,3% no primeiro semestre de 2024, em comparação com o ano passado. Em junho, o comércio apresentou estabilidade, com variação negativa de 0,1%. 

O analisou seis segmentos do setor e identificou que três registraram alta mensal e outros três, queda. O pódio positivo tem, em ordem, os setores de livros, jornais, revistas e papelaria (1,7%); tecidos, vestuário e calçados (0,6%); e material de construção (0,5%). 

Já os setores com resultado negativo são: artigos farmacêuticos (-1,0%); móveis e eletrodomésticos (-0,6%); e hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-0,5%).

Fonte: revistaoeste

Sobre o autor

Avatar de Redação

Redação

Estamos empenhados em estabelecer uma comunidade ativa e solidária que possa impulsionar mudanças positivas na sociedade.