Grupo do Whatsapp Cuiabá
Economia

”Estadão aponta governo desconexo e protecionista de Lula na indústria automotiva”

2024 word3

Para tentar conter a participação da China no nacional automotivo, fábricas de automóveis ameaçam fechar unidades ainda neste ano. Para que isso não aconteça, o governo Lula () precisaria elevar “imediatamente” as alíquotas de importação sobre carros elétricos.

O anúncio partiu da , que teme o avanço da concorrência. Para ter ideia do cenário, de janeiro a maio, as vendas de carros chineses no paí já superaram as registradas em todo o ano de 2023.

Diante disso, os carros elétricos e híbridos devem entrar na lista de produtos sobre os quais incidirá o Imposto Seletivo da , o chamado “imposto do pecado”.

Para o jornal O Estado de S. Paulo, o fato de o governo federal abrir o mercado e comemorar a entrada de fabricantes chinesas e, posteriormente, tentar proteger a indústria local, expõe uma gestão pública “desconexa e protecionista”

“Com sua ambiguidade, o governo Lula fomenta de forma perigosa uma situação que pode se tornar insustentável”, afirmou o Estadão, em seu editorial de opinião desta quarta-feira, 10.

A publicação diz ainda que políticas protecionistas, por si sós, “não são capazes de garantir competitividade à indústria nacional”.

Incentivos à indústria automotiva

Segundo o jornal, “chega a ser irônico” que o aviso da Anfavea sobre o risco de fechamento de unidades tenha sido divulgado poucos dias depois da sanção presidencial ao programa Mover, que dará R$ 19,3 bilhões em incentivos fiscais ao setor até 2028.

O editorial lembra que a mesma estratégia de oferecer incentivos foi usada para atrair ao país as fabricantes chinesas de carros elétricos e híbridos.

“Em paralelo, o governo defende a inclusão dos automóveis no “imposto do pecado”, compara o jornal.

O argumento para a taxação são os riscos das baterias de carros elétricos para o meio ambiente.

“Em contrapartida, caminhões a diesel estarão livres do alcance do ‘imposto do pecado’ por ser o de cargas no país essencialmente rodoviário”, observou o texto. “Para quem não vê lógica nos argumentos, a resposta é de que não há lógica de fato: tudo depende do interesse do momento”. 

Fonte: revistaoeste

Sobre o autor

Avatar de Redação

Redação

Estamos empenhados em estabelecer uma comunidade ativa e solidária que possa impulsionar mudanças positivas na sociedade.