📝RESUMO DA MATÉRIA

  • A vitamina C sempre foi essencial para uma boa função imunológica, mas pesquisas também demonstraram que ela desempenha um papel importante no tratamento de vários , incluindo o câncer. Como não pode ser patenteado, é uma ameaça ao modelo de tratamento de doenças da Big Pharma e da medicina ocidental
  • De uma abordagem histórica, os benefícios da vitamina C associados ao cancro, poliomielite, esclerose múltipla e outras doenças prejudiciais foram suprimidos, porque é eficaz, barata e não pode ser patenteada, o que significa que não proporciona lucro financeiro prescrevendo ou fabricando ela
  • Os humanos não podem produzir vitamina C, por isso ela precisa ser consumida. Altas doses de vitamina C são a base da cura do Dr. Frederick Klenner para a poliomielite e do tratamento do Dr. Paul Marik para a sepse. Também faz parte dos protocolos de tratamento bem-sucedidos desenvolvidos pela FLCCC Alliance for COVID, da qual Marik é o membro fundador

🩺Por Dr. Mercola

A vitamina C foi isolada pela primeira vez em 1928 e a estrutura química foi identificada em 1933. No início da década de 1970 o Dr. Linus Pauling recomendou que sua ingestão diária ideal fosse de 2.000 miligramas (mg) e todos deveriam consumir pelo menos de 200 mg a 250 mg por dia.

No entanto, à medida que a medicina “moderna” e a indústria farmacêutica aceleraram a criação de cuidados à saúde, a vitamina C caiu em desuso de maneira rápida, porque é barata, fácil de administrar e possui poucos efeitos secundários. Em outras palavras, por mais eficiente que a vitamina C seja na prevenção e no tratamento, você não consegue obter lucro financeiro ao prescrever ou fabricar ela.

É importante ressaltar que a maioria dos mamíferos pode produzir vitamina C no corpo, mas os humanos e os porquinhos-da-índia precisam consumir ela através da dieta. A vitamina C é um fator essencial em muitas reações enzimáticas e vários estudos demonstraram que está associada a um menor risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares como acidente vascular cerebral, hipertensão arterial e doenças coronárias.

A vitamina C sempre foi essencial para a função imunológica, mas os dados da pesquisa também mostraram que desempenha um papel importante no tratamento de diversas condições de saúde, incluindo o cancro. A pesquisa sugere que a vitamina C pode prolongar a sobrevivência, mesmo em pessoas com cancro do pâncreas e do ovário, que estão entre os tipos mais mortais de crescimento tumoral.

Durante os primeiros anos da pandemia de COVID, investigadores e médicos que utilizaram vitamina C para ajudar a tratar a foram ridicularizados e as organizações médicas “modernas” tentaram marginalizá-los. E nos três anos seguintes, a informação sobre a vitamina C continuou a ser compartilhadas, mas muitas pessoas sofreram nas mãos das grandes farmacêuticas.

A vitamina C é uma abordagem histórica

Como a vitamina C não pode ser patenteada, ela representa uma ameaça à indústria farmacêutica e ao modelo de tratamento de doenças da medicina ocidental. Um jornalista independente australiano, Just Call Me Jack da Totality of Evidence, publicou uma história da vitamina C mostrando como ela tem sido utilizada e suprimida.

Ele pretende e resgatar dados significativos ao longo da história que levaram à pandemia da COVID-19 e documentar o que aconteceu desde esse período, inclusive para “descobrir mudanças ao longo do tempo, que podem ser utilizadas para favorecer sua pesquisa, mas é preciso observar, transformar e juntar à Totalidade das Evidências para revelar uma melhor imagem de controle e influência centralizada.”

A vitamina C desempenhou um papel nessa influência. Em 2002, o Dr. Thomas E. Levy publicou o livro “Vitamina C, doenças infecciosas e toxinas: curando o incurável.” No ano de 2011, pesquisas e publicações que identificavam formas de utilização dela chegaram à mídia. A Dra. Suzanne Humphries publicou um relatório especial sobre o tratamento da tosse convulsa e a Orthomolecular Medical News propôs a vitamina C intravenosa como terapia contra o câncer.

Poliomielite, Esclerose Múltipla e Vitamina C

Um dos fatos importantes que fazem parte da história da poliomielite e da COVID é a vitamina C. Durante a epidemia da poliomielite de 1948 a 1955, muitas pessoas evitaram multidões e reuniões públicas da mesma forma que durante a pandemia de COVID. Em uma biografia sobre Klenner, Andrew Saul, editor assistente do Journal of Orthomolecular Medicine, comentou sobre alguns dos primeiros trabalhos de Klenner durante a epidemia da poliomielite.

Klenner deu início aos tratamentos com vitamina C para com pneumonia viral, e os resultados foram apresentados em 1948 no Journal of Southern Medicine and Surgery. Antes do lançamento da vacina contra a poliomielite, Klenner tratava os pacientes com altas doses de vitamina C administradas por via intramuscular.

Em 1949, ele resumiu seu trabalho com a poliomielite na sessão anual da Associação Médica Americana. Ele era de Reidsville, localizado na Carolina do Norte, e não possuía credenciais nacionais, bolsas de pesquisa ou laboratório experimental, mas demonstrou através desse grupo de autoridades que “Quando quantidades adequadas são utilizadas, ela a vitamina C destruirá todos os organismos virais.”

Mesmo que Klenner tenha descoberto que a via mais eficaz era a intravenosa, ele determinou que as injeções intramusculares eram satisfatórias em uma dose de 25.000 a 30.000 mg para um adulto, administrada a 350 mg/kg de peso corporal em um intervalo de duas horas. Ele também acreditava que quanto mais doente o paciente estiver, maior deveria ser a dose.

Ele tratou 60 casos de poliomielite com a administração de doses de vitamina C e todos que receberam foram curados. Nenhum de seus pacientes ficou paralisado e todos demonstraram bons resultados de melhora em três dias.

Levy relatou sobre o caso de uma menina de 5 anos que já sofria de paralisia dos membros inferiores há quatro dias até que Klenner a tratou. Ela recebeu apenas doses maciças de vitamina C e mensagens. No 19º dia, a menina teve um retorno completo da sensação e da função motora e nenhum comprometimento à saúde a longo prazo. No entanto, esse tratamento simples, de eficiência e baixo custo não foi bem publicado e Klenner não recebeu qualquer reconhecimento pelos seus resultados.

Saul também descreve a cura baseada em vitaminas para a esclerose múltipla através dos descobrimentos de Klenner. Depois de sua morte em 1984, seu filho foi acusado de assassinato à cinco pessoas, uma tragédia que se tornou tema de um livro de 1988 e de um filme feito para a TV em 1994. Diante disso, a forma como os meios de comunicação social tratam a indústria farmacêutica, os crimes do filho que foram mais noticiados do que as curas do pai.

As narrativas sobre a poliomielite e COVID seguem uma jornada semelhante

Just Call Me Jack detalha a história da vacina contra a poliomielite, que é muito semelhante ao lançamento da vacina COVID-19. No ano de 1952, a população estava com medo em relação à poliomielite e todos na esperança de uma vacina. Em 12 de abril de 1955, a vacina inativada contra a poliomielite Salk foi declarada “segura e eficaz” e no mesmo dia, os EUA autorizaram sua utilização. No início daquele ano, como a COVID, os critérios de diagnóstico da poliomielite também foram alterados. Just Call Me Jack pergunta: Parece familiar?

Em seu livro “Dissolvendo Ilusões,” a Dra. Suzanne Humphries e Roman Bystrianyk detalham uma história de intervenções médicas que afirmam aumentar a expectativa de vida e prevenir muitas mortes. O livro relata sobre como essas intervenções não foram responsáveis ​​e um resumo do livro na Amazon faz a pergunta: O que mais está sendo ignorado e mal interpretado hoje? A poliomielite é uma das doenças e vacinas subsequentes presentes no livro.

Antes de 1954, os pacientes com paralisia de curta duração eram diagnosticados com poliomielite, mas esse critério mudou em 1955, quando a vacina foi lançada. Em vez disso, os pacientes que não apresentavam paralisia residual após 60 dias não possuíam poliomielite. Just Call Me Jack cita o livro, escrevendo “Assim, por motivos de mudanças nos critérios de diagnóstico, o número de casos paralíticos foi predeterminado para diminuir em 1955-1997, mesmo que qualquer vacina tenha sido utilizada ou não.”

Por outras palavras, a forma como um caso foi definido mudou tanto a incidência da doença como a eficácia da vacina contra a poliomielite. 

A questão que deve ser apresentada é que se o declínio da poliomielite foi resultado da vacina ou porque os critérios para diagnosticar a poliomielite mudaram? A Totalidade de Evidências relata que menos de um mês após a introdução da vacina oral, o laboratório suspendeu a produção porque as crianças vacinadas estavam infectadas com poliomielite, uma preocupação que continua até hoje.

As estatísticas dos Relatórios Americanos de Vigilância da Poliomielite demonstraram que em 1957, dois anos após a criação da vacina, quase metade dos casos de poliomielite paralítica em crianças ocorriam em crianças vacinadas, o que levou à decisão de que as crianças precisavam de mais vacinas.

É possível perceber as semelhanças entre o lançamento da vacina contra a COVID-19, após o número de mortes por ela nos EUA ter aumentado, com a vacina contra a poliomielite.

Mesmo que as autoridades de saúde pública tenham, de início, dito ao público que os ensaios clínicos da COVID indicavam que a vacina os impediria de serem infectados, de espalharem a infecção e que apenas uma vacina era necessária, essas recomendações tiveram uma mudança rápida quando a experiência genética foi divulgada em um nível diferente, mais diversificado do que aquela em que foi testado no início.

Em outras palavras, a vacina foi divulgada ao mundo e os especialistas em saúde pública perceberam que tiveram dados muito mais preocupantes.

A vitamina C está relacionada ao controle de e estresse oxidativo

A capacidade antiviral da vitamina C foi combinada com sucesso com a quercetina durante a pandemia SARS-CoV-2 e incluída no protocolo MATH+ inicial publicado em abril de 2020. A partir disso, foi relatado nos primeiros meses da COVID-19, pelo Aliança FLCCC, que recomendou uma combinação de vitamina C, quercetina, zinco, melatonina e vitamina D3 para profilaxia.

Até hoje em dia, o protocolo preventivo para COVID, gripe e VSR inclui enxaguante bucal antimicrobiano, vitamina D, C, zinco e melatonina. Em 19 de junho de 2020, Marik publicou o artigo “Quercetina e vitamina C: uma terapia experimental e sinérgica para a prevenção e tratamento de doenças relacionadas ao SARS-CoV-2 (COVID-19)” na revista Frontiers in Immunology, observando:

“O ácido ascórbico desempenha um papel na resposta ao estresse e vem demonstrando resultados promissores quando administrado a pessoas muito doentes. A quercetina é um flavonoide muito conhecido em que suas propriedades antivirais foram investigadas em numerosos estudos.

“Uma ação antiviral sinérgica ocorre devido à sobreposição de propriedades antivirais e imunomoduladoras e à capacidade do ascorbato de reciclar a quercetina, aumentando sua eficácia, levando em consideração a forma em que foram relatadas as evidências da coadministração de quercetina e vitamina C.” Intervenções seguras e de baixo custo que tenham uma biológica sólida devem ser priorizadas para utilização experimental no contexto atual de uma pandemia de saúde global.”

Sendo assim, como muitos observaram durante a pandemia da COVID, a utilização de “intervenções seguras e de baixo custo que tenham uma lógica biológica sólida” não teve uma prioridade, apresentou uma má reputação. A maior parte do benefício da vitamina C é que ela ajuda a mediar a inflamação e o estresse oxidativo.

Isso foi demonstrado em um estudo de 2022, que procurou determinar como a vitamina C poderia ajudar indivíduos com fibrose cística. Os pesquisadores concluíram que a suplementação de vitamina C em indivíduos com doença inflamatória avançada pode ajudar a aumentar os níveis de vitamina E no plasma e diminuir a resposta inflamatória.

A vitamina C também desempenha um papel significativo no tratamento holístico do câncer, como o Dr. Nathan Goodyear e eu relatamos em uma entrevista de 2022. Nessa área, a medicina ocidental também se esforçou para suprimir a informação, uma vez que a vitamina C possui um baixo custo financeiro e não pode ser patenteada.

Como eu disse, Linus Pauling demonstrou que a vitamina C intravenosa poderia melhorar a sobrevivência ao câncer, mas quando os médicos da Clínica Mayo tentaram reproduzir os resultados sem utilizar a administração intravenosa, não encontraram nenhum benefício.