📝RESUMO DA MATÉRIA

  • A escrita à mão das crianças está se deteriorando, o que pode causar problemas de autoestima e também de desempenho escolar. Um fator que contribui para isso é a introdução de aulas de informática em idade precoce.
  • Ensinar escrita à mão adequada às crianças pode ajudar a melhorar suas habilidades motoras finas, pois o ato de escrever aprimora a conexão mente e corpo. Em particular, a letra cursiva pode ser benéfica para a sua cognição, de acordo com estudos publicados.
  • Incentivar seu filho a praticar a letra cursiva pode beneficiá-lo a longo prazo. Selecionar as ferramentas certas, criar um ambiente divertido e identificar erros na caligrafia pode levar a uma conexão mente e corpo mais forte.

🩺Por Dr. Mercola

Quando foi a última vez que seu filho se sentou para escrever algo de maneira ativa no papel? Embora possa parecer trivial, enfatizar a importância do uso de uma caneta pode nutrir a conexão mente e corpo deles. Isso inclui habilidades motoras finas, processamento de informações e criatividade, que entram em ação quando seu filho segura uma caneta para escrever algo. Infelizmente, essa habilidade essencial para a vida pode estar seguindo o caminho dos dinossauros.

De acordo com um relatório da National Public Radio (NPR), a caligrafia entre as crianças está se tornando mais problemática, sobretudo com a introdução de aulas de informática em idade precoce. Quando a escrita à mão é deixada de lado, isso pode afetar a capacidade de aprendizagem das crianças.

A alfabetização infantil pode estar em perigo

Segundo a neurocientista educacional Sophia Vinci-Booher, Ph.D., a escrita à mão pode ser um dos movimentos mais complexos que uma criança pode fazer para aprimorar sua conexão mente e corpo. “Cada um de seus dedos precisa fazer algo diferente para produzir uma letra reconhecível”, diz ela. À medida que seu filho realiza cada traço com o lápis, seu cérebro recorre a imagens mentais das letras que ele está escrevendo, “fazendo ajustes nos dedos em real para criar as das letras”.

Pesquisas publicadas apoiam essa hipótese, como um estudo no Frontiers in Psychology envolvendo 36 estudantes universitários. Usando um eletroencefalograma (um dispositivo que mede a atividade elétrica no cérebro), os pesquisadores notaram que a escrita uma atividade cerebral bem maior em comparação com a digitação em um teclado, sobretudo nas regiões parietal e central:

“A literatura existente indica que os padrões de conectividade nessas áreas do cérebro e em tais frequências são cruciais para a formação da memória e para a codificação de novas informações e, portanto, são benéficos para a aprendizagem”.

Em outro estudo, os pesquisadores recrutaram dois grupos de 38 crianças com idades entre 3 e 5 anos e as encarregaram de copiar o alfabeto à mão e no teclado. Após três semanas ensinando o alfabeto às crianças, eles compararam a capacidade dos participantes de reconhecer letras em cada grupo. Os resultados mostraram que as crianças que aprenderam a escrever à mão “apresentaram um melhor reconhecimento de letras do que o treinamento de digitação”.

Quando as crianças começam a depender mais do teclado do que do lápis e papel, os seus cérebros não são estimulados por inteiro, impedindo-as de atingir todo o seu potencial. E pode até levar a outros problemas, como mudanças de comportamento. De acordo com um estudo de 2023 publicado no Cureus, uma caligrafia ruim pode levar a notas baixas e baixa autoestima.

Para evitar que uma crise educacional se agrave ainda mais, o estado da Califórnia já começou a exigir que as escolas primárias incorporem a escrita cursiva nos seus currículos. Kentucky, Carolina do Sul, Wisconsin e Indiana também propuseram projetos de lei semelhantes.

A escrita cursiva poderia ser a solução?

Cursiva é uma forma de escrita que enfatiza a junção de letras para aumentar a velocidade e a facilidade de escrita. A filosofia por trás dessa abordagem é reduzir a frequência com que a mão que escreve saia do papel.

Seguindo essa linha de pensamento, ensinar letra cursiva para seu filho pode ser uma maneira viável de aprimorar a conexão mente e corpo dele. Em um estudo publicado em 1979, os benefícios da caligrafia cursiva já foram observados, pois ela permite que crianças com desorientação espacial combinem escrita, leitura e ortografia — três áreas de aprendizagem que em geral são ensinadas de maneira separada na . Para ensinar as crianças, os pesquisadores criaram esta configuração:

“A letra de forma é escrita no quadro-negro e pergunta-se à classe qual o som que a letra faz. Se o nome da letra for dado, ele será aceito como correto, mas o som será sempre enfatizado. A turma repete o som e a professora pede palavras que comecem com ele. Ela então sobrepõe a letra cursiva a letra de forma que já está no quadro. Isso pode ser feito com dezenove letras.

Para as letras restantes (e, r, s, f, b, v, z) a letra cursiva é escrita ao lado da letra de forma. Em ambos os casos, as letras devem aparecer no quadro para permitir que a criança desenvolva uma associação entre as letras que ela lê e as que ela escreve”.

Os pesquisadores concluíram que as crianças podem ter mais facilidade para se concentrar na escrita à mão, escrevendo em letra cursiva em vez da letra de forma. Isso ocorre porque a letra cursiva envolve múltiplos sentidos, e uma criança ainda pode ter sucesso apesar de ter problemas em diferentes áreas, como coordenação motora e combinação de sons (a capacidade de formar palavras a partir de sons).

Em outro estudo, desta vez publicado em 2018, foram observados resultados semelhantes. A população do estudo incluiu 141 alunos do primeiro ano de quatro escolas no sul da Itália, divididos em dois grupos – o grupo experimental recebeu formação em caligrafia cursiva, enquanto o grupo controle recebeu uma combinação de cursiva e letra de forma.

Durante um ano letivo inteiro, todos os alunos receberam 40 sessões de treinamento de professores sob supervisão de um psicólogo infantil. Os resultados mostraram que as crianças que praticaram a letra cursiva desenvolveram melhor caligrafia, indicando maior potencial para composição de texto e melhor memória de trabalho.

10 estratégias para ajudar a desenvolver a escrita à mão do seu filho

Ensinar letra cursiva a seus filhos pode ter um impacto significativo na conexão mente e corpo. Mas como você aborda e incentiva seu filho sobre isso?

Em um guia publicado na plataforma de aprendizagem SplashLearn, a professora Amy Paige descreve 10 passos que os pais podem adotar para incentivar seus filhos a praticarem a escrita à mão, obtendo assim seus benefícios:

1. Selecione o papel e a caneta certos — Usar as ferramentas adequadas para o trabalho pode ajudar seu filho a desenvolver a escrita à mão. Não tenha pressa na escolha do lápis e/ou caneta certos para o seu filho, selecionando o tamanho e formato apropriados. Paige escreve:

“É fácil uma caneta ou lápis muito fino ou muito grosso ser a causa da escrita à mão bagunçada do seu filho. Em vez disso, selecione um lápis que seu filho consiga segurar de maneira correta. Por exemplo, as crianças pequenas têm mãos pequenas com menos firmeza ao segurar, então um lápis grosso e curto é perfeito para elas”.

Lembre-se também de selecionar o papel apropriado, pois ele acompanha o instrumento de escrita correto. Escolha a espessura e a textura adequadas que seu filho prefere, o que pode ajudá-lo a escrever de forma legível.

2. Ajude seu filho a segurar o lápis de maneira correta – A maneira como seu filho segura o lápis pode determinar como fica a escrita. Assim, ensiná-lo a pegar de forma correta desde o início cria uma base sólida para a escrita.

Para crianças em idade pré-escolar e jardim de infância, Paige recomenda o “tripé”. Aqui, seu filho segura um lápis entre o polegar e o indicador. Em seguida, deixe o lápis repousar sobre o dedo médio. Os dois dedos restantes se curvam na palma da mão, agindo como suporte.

Para ajudar seu filho a desenvolver a compreensão do tripé, Paige recomenda usar primeiro giz de cera pequeno. Você também pode permitir que seu filho faça outras atividades que utilizem o tripé, como pintura com os dedos, brincar com blocos de construção, miçangas na linha ou usar pinças.

3. Guie a mão do seu filho — Ensinar seu filho a aplicar a quantidade certa de pressão na mesa pode ajudá-lo a escrever de forma correta. Se você perceber que as palavras que ele escreveu estão marcadas na próxima ágina do caderno, isso pode indicar uma escrita pesada. Se for aplicada muita pressão, isso poderá afetar seu estado mental e, em consequência, sua escrita à mão.

Se você notar esse problema, seria aconselhável guiar a mão dele. Além disso, mostre a pressão correta para que ele possa relaxar a mão enquanto escreve.

4. Alcance uma velocidade de escrita ideal — Preste atenção em quão lento ou rápido seu filho está escrevendo. A velocidade é um fator importante, pois se seu filho escrever muito rápido, ele poderá não formar letras legíveis. Por outro lado, se ele for muito lento, poderá não conseguir entregar os trabalhos escolares a tempo.

Para ajudar seu filho a aprimorar a velocidade de escrita, deixe-o relaxar primeiro. Permita que ele processe a tarefa de escrita antes de começar a escrever. À medida que ele se acostuma a escrever de forma legível e em uma velocidade mais lenta, você pode incentivá-lo a acelerar a escrita.

5. Crie um ambiente envolvente — Escrever deve ser uma atividade divertida para seu filho, e não estressante. Ao criar um ambiente positivo para o seu filho, ele sempre se sentirá encorajado e confiante. Se você perceber que a combinação de papel e caneta não está funcionando, mudar o ambiente pode trazer uma nova perspectiva.

Por exemplo, use giz de cera e outros materiais artísticos para incentivar a escrita. Mesa e cadeira adequadas para uma ergonomia ideal também pode ajudar a promover um ambiente positivo.

6. Identifique os problemas subjacentes – Seu filho está lutando para escrever de forma legível? Para incentivar seu filho a escrever com mais clareza, não tente forçá-lo. Paige recomenda sentar-se com seu filho e descobrir em quais áreas ele está tendo dificuldades.

A caligrafia ruim pode ter diversas causas, como baixa confiança. Ele pode estar usando uma escrita ilegível para ocultar erros ortográficos. Ele também pode estar sofrendo de um distúrbio sensorial, dificultando a escrita.

7. Trabalhe as habilidades motoras do seu filho com outras atividades — Permitir que ele aprimore a conexão mente e corpo é a chave para uma boa caligrafia. Praticar as habilidades motoras finas pode ajudá-lo a manter a mão firme. Você pode fazer isso com outras atividades, como:

•Usar talheres seguros para crianças

•Jogar bola com uma bola de beisebol

•Fazendo figuras com massinha de modelar

•Jogos em família, como Jenga

8. Familiarize-se com a forma do alfabeto — Segundo Paige, as crianças costumam ter uma escrita à mão inconsistente, resultando em letras desiguais e espaçamento irregular. Portanto, ajudar seu filho a se familiarizar com o alfabeto pode criar uma base sólida para sua escrita à mão.

Ela incentiva os pais a sentarem ao lado dos filhos e ensiná-los a escrever cada letra do alfabeto, prestando atenção no tamanho, espaçamento, curvas e inclinações de cada letra, tanto em maiúsculas quanto em minúsculas.

9. Leia mais para ajudar a escrever mais – Incentive seu filho a ler mais livros e outros materiais de aprendizagem que lhe interessem. Isso pode ajudá-lo a se familiarizar com várias estruturas de frases, o que também pode expandir seu vocabulário. Isso pode refletir em sua caligrafia, permitindo que ele escreva de forma correta enquanto presta atenção na formação das letras.

10. Lembre-se de praticar — A única maneira de melhorar é praticando, mas seu filho pode ter dificuldade em entender esse conceito. Paige recomenda o uso de abordagens inovadoras para incentivar seu filho a escrever todos os dias, como o uso de marcadores não permanentes para escrever em paredes ou quadros.