📝RESUMO DA MATÉRIA

  • A Campanha 50% da Weston A. Price Foundation incentiva os consumidores a comprar pelo menos 50% dos seus alimentos direto dos agricultores e processadores artesanais para construir um sistema alimentar local, criar segurança alimentar e garantir a prosperidade dos agricultores.
  • Setenta por cento das galinhas dos EUA são alimentadas com rações contendo arsênico, que pode se converter em arsênico inorgânico na carne, representando potenciais riscos para a saúde dos consumidores. As isoflavonas de soja e os antibióticos na carne industrializada também podem prejudicar a saúde humana, com os compostos da soja agindo como estrogênio e os antibióticos, levando à resistência bacteriana e à perturbação da flora intestinal.
  • Um estudo de 2019 encontrou 92% das amostras de milho convencional contaminadas com micotoxinas, que podem causar sérios problemas de saúde em humanos, incluindo câncer e problemas cardíacos.
  • A droga ractopamina, usada na suinocultura para promover o crescimento de massa muscular magra, é proibida em muitos países devido a questões de segurança, mas ainda é muito utilizada nos EUA.
  • O consumo diário de carne, ovos e laticínios de supermercado pode levar a uma alta carga de toxinas, em crianças, tornando crucial a compra desses alimentos direto dos agricultores locais e conscientes que usam alimentação a pasto e ração medicamentosa.

🩺Por Dr. Mercola

No ano passado, a Weston A. Price Foundation lançou a Campanha 50%, incentivando os consumidores a comprar pelo menos 50% dos seus alimentos direto dos agricultores e processadores artesanais.

Isso ajuda a construir um sistema alimentar local, cria segurança alimentar e garante prosperidade aos nossos agricultores. Mas há muitas outras razões para evitar a carne industrializada e obter os produtos de origem animal que você precisa direto de um fazendeiro que conhece.

A maioria das galinhas é alimentada com ração contendo arsênico

ARSÊNICO: Você sabia que 70% das galinhas nos EUA recebem ração contendo arsênico? O FDA permite o uso de um medicamento à base de arsênico chamado nitarsona na ração das galinhas. No início os compostos contendo arsênico foram aprovados para utilização comercial em rações medicamentosas para na década de 1940, a fim de promover um crescimento mais rápido nas aves e aumentar a eficiência alimentar – em outras palavras, as galinhas engordam sem comer tanto.

A indústria avícola afirma que o arsênico fornecido às aves não tem efeitos adversos para a saúde do consumidor porque o tipo de arsênico utilizado nos aditivos da ração é o arsênico “orgânico”. No entanto, estudos recentes descobriram que o arsênico orgânico pode se converter em arsênico inorgânico no tecido animal. O tecido animal que você ingere.

Mesmo que o arsênico permaneça na forma orgânica, ele pode ter o mesmo efeito nas pessoas e nas galinhas – fazendo com que elas ganhem peso mesmo quando comem menos.

Frangos doentes aprovados para abate e consumo

DOENÇA: Em julho de 2020, o USDA aceitou uma petição do National Chicken Council para permitir que os frigoríficos processassem aves infectadas com leucose aviária. A infecção causa uma condição semelhante ao câncer, resultando em tumores malignos e lesões. Não está claro se a condição pode ser transmitida aos humanos, mas comer frango doente não parece uma boa ideia em nenhuma circunstância.

MICOTOXINAS: Um estudo de 2019 com mil amostras de milho convencional descobriu que 92% estavam contaminadas com uma ou mais micotoxinas. Esses venenos fúngicos podem causar problemas respiratórios, inflamação pulmonar, febre e sensações de queimação, além de condições graves como câncer, fibromialgia, problemas cardíacos e lúpus – e até deficiências intelectuais.

Se as micotoxinas estiverem na ração animal, acabarão nos músculos dos animais. Certifique-se de que seu fazendeiro esteja usando ração orgânica ou, melhor ainda, evitando o milho.

Medicamento arriscado permitido na suinocultura

RACTOPAMINA: Este medicamento, administrado a porcos, promove o crescimento de massa muscular magra (às custas da gordura). Devido a questões de segurança, cerca de cento e sessenta países proíbem ou restringem o uso desta droga, incluindo a Rússia, a China e todos os países da União Europeia. Mas nos EUA, estima-se que de 60% a 80% dos porcos recebem ractopamina na sua alimentação.

A ractopamina pertence a uma classe de medicamentos chamados beta-agonistas, que foram desenvolvidos para tratar a asma. A Food and Drug Administration (FDA) dos EUA aprovou a ractopamina para uso em porcos após apenas um estudo de saúde humana – uma avaliação com seis homens jovens e saudáveis, sendo que um deles abandonou o estudo porque o seu coração começou a bater de forma anormal e acelerada.

Além dos efeitos cardiovasculares, a ractopamina tem sido associada a alterações comportamentais e nervosismo em humanos e porcos. nascidos de ratos alimentados com ractopamina desenvolveram fenda palatina, línguas protuberantes, membros curtos, falta de dedos, pálpebras abertas e corações grandes. Nos porcos, a ractopamina faz com que eles entrem em colapso e se tornem “downers”, isto é, animais doentes demais ou feridos para andar.

Compostos estrogênicos e antibióticos são encontrados na carne

ISOFLAVONAS DE SOJA: Esses compostos semelhantes ao estrogênio estarão na carne, leite e ovos de animais alimentados com soja – o que inclui qualquer animal criado no sistema industrial. É melhor encontrar um fazendeiro que não use soja alguma – mas pelo menos a alimentação a pasto reduzirá a quantidade de soja que animais como galinhas, porcos e vacas leiteiras recebem. A produção de carne bovina a pasto não requer milho nem soja.

ANTIBIÓTICOS: Animais (vacas, porcos, galinhas e até peixes) recebem antibióticos, não apenas para tratar ou prevenir doenças, mas também para estimular o crescimento rápido. É claro que as pessoas ingerem estes medicamentos quando comem carne, ovos e leite tratados com antibióticos, com o resultado agora bem conhecido de resistência aos antibióticos – sem mencionar a perturbação da flora intestinal.

Em todo o mundo, estima-se que 73% dos antibióticos são consumidos por animais de fazenda; Estima-se que o uso global de antibióticos aumente 67% entre 2010 e 2030. A Europa proibiu o uso de antibióticos para fins de promoção do crescimento em 2006. E o uso de doses subterapêuticas de antibióticos clinicamente importantes na alimentação animal e na água para promover o crescimento e melhorar a eficiência alimentar se tornou ilegal nos Estados Unidos em 2017.

No entanto, o uso de antibióticos na alimentação animal é enorme nos países em desenvolvimento, sobretudo na China. E como ainda não temos a rotulagem do País de Origem (COO), é difícil evitar esses produtos com antibióticos quando você compra seus alimentos de origem animal no supermercado. A lei federal proíbe o uso de antibióticos em vacas leiteiras, mas o teste usado para detectar antibióticos (chamado teste SNAP) detecta apenas cerca de cinco das mais de duas dúzias de antibióticos em uso.

A carga tóxica de carne, ovos e laticínios pode ser bastante alta

Como na América temos a tendência de consumir alimentos de origem animal todos os dias, a carga de toxinas provenientes da carne, ovos e laticínios dos supermercados pode ser muito elevada e os efeitos profundos, sobretudo nas crianças em crescimento.

A solução? Compre sua carne, ovos e laticínios direto de um fazendeiro local, que pratique alimentação a pasto e use ração não medicamentosa (de preferência sem soja). Ao proteger sua família, você também estará apoiando agricultores independentes e conscientes, além de fortalecer a economia local.

Sobre a autora

Sally Fallon Morell é autora do livro de best-seller “Nourishing Traditions” e de muitos outros livros sobre dieta e saúde. Ela é a presidente fundadora da Weston A. Price Foundation (westonaprice.org) e fundadora da A Campaign for Real Milk (realmilk.com). Visite o blog dela em nutritingtraditions.com.