Grupo do Whatsapp Cuiabá
Tecnologia

Nova tecnologia permite que ‘tecido inteligente’ se adapte automaticamente às variações climáticas

2024 word1

Uma de desenvolveu um “tecido inteligente”, que é capaz de se adaptar ao clima e mudar o seu formato automaticamente.

Batizado de FibeRobo, o novo tecido é uma programável, que se torna mais isolante para manter o aquecido conforme a temperatura cai, sem usar sensores nem componentes rígidos.

+ Leia mais notícias de Tecnologia em Oeste

Quando o clima fica mais quente, o material realiza o movimento inverso, se contrai e se adapta à temperatura local.

O projeto foi desenvolvido por especialistas do (MIT, na sigla em inglê). O segredo por trás da tecnologia está no elastômero de cristal líquido (LCE), usado na fabricação do tecido.

Como o LCE torna o tecido inteligente

O LCE é composto de cristais líquidos, uma série de moléculas capazes de fluir e se acumularem em um arranjo cristalino periódico.

Leia também:

Os especialistas incorporaram o material em uma rede de elastômero, conhecido pela sua elasticidade.

No momento em que o LCE é aquecido, as moléculas do cristal saem do alinhamento e unem-se ao elastômetro, assim, a fibra sofre contração.

Quando não há mais o calor, as moléculas retornam à forma original. A movimentação garante a adaptação da roupa a qualquer condição climática.

Como a equipe desenvolveu o tecido

Os especialistas do MIT misturaram os compostos químicos durante a síntese da fibra, no que resultou no possível das propriedades finais do material, como a espessura e a temperatura.

tecido inteligentetecido inteligente
Imagens Do Tecido Inteligente E Suas Contrações | Foto: Divulgação/Mit/Jack Forman

A equipe disse que o LCE atua em temperaturas seguras para a pele e pode ser utilizado em qualquer tipo de roupa.

Os pesquisadores revelam certo cuidado para desenvolver um material adaptável aos métodos de fabricação têxtil convencionais, como tear, bordado e máquina de .

Leia também:

A adaptabilidade permite diversas aplicações, de roupas esportivas a dispositivos médicos, e os planos podem ser recicláveis ou biodegradáveis.

O tecido possui um baixo custo. De acordo com o MIT, o material pode custar US$ 0,20 por metro, o equivalente a R$ 1.

Fonte: revistaoeste

Sobre o autor

Avatar de Redação

Redação

Estamos empenhados em estabelecer uma comunidade ativa e solidária que possa impulsionar mudanças positivas na sociedade.