Grupo do Whatsapp Cuiabá
Política

Processo que pode cassar Chiquinho Brazão é mantido pelo Conselho de Ética

2024 word3
CRM Com Automação Canal Mídia

O Conselho de Ética da Câmara dos Deputados manteve, nesta quarta-feira, 15, a (sem partido-RJ), acusado de ser um dos mandantes do da vereadora e de seu motorista, Anderson Gomes, em 2018.

A decisão foi tomada por 16 votos a favor da continuidade do processo contra 1. Agora o deputado tem dez dias para apresentar defesa e apresentar provas. Relatora do processo, a deputada federal (PT-ES) entendeu que houve por parte de Brazão atitudes incompatíveis ao parlamentar, sendo abuso das prerrogativas.

Apesar disso, a decisão da maioria do colegiado hoje diz respeito à admissibilidade da representação, ou seja, da continuação do processo, não se o deputado é culpado ou inocente.

Chiquinho Brazão participou à distância da reunião, por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que entendeu que houve obstrução de Justiça por parte dele.

O parlamentar, que teve a prisão preventiva referendada pela Câmara em 10 de abril, disse que provaria sua inocência. O advogado Cleber Lopes, que defende o deputado, classificou a representação do Psol como “imprestável”.

Além disso, destacou que o não seria válido, pois o crime de que Chiquinho Brazão é acusado aconteceu antes de ele assumir o mandato como deputado federal. Conforme o advogado, a Procuradoria-Geral da República não acolheu o argumento do STF sobre obstrução de Justiça.

Lopes ainda colocou sob suspeita a imparcialidade da relatora, que é do PT. Como mostrou , o que não foi acolhido pelo presidente do conselho, Leur Lomanto Júnior (União-BA).

Além do deputado, foram presos seu irmão, o conselheiro do Tribunal de do Estado do Rio de Janeiro Domingos Brazão; e o ex-chefe de Polícia Civil do Estado, delegado Rivaldo Barbosa. Os três negam participação no assassinato.

Conforme a Polícia Federal, a função do delegado era garantir “” aos envolvidos para que o inquérito não chegasse aos responsáveis pelo crime. Em delação premiada, o ex-policial militar Ronnie Lessa disse que, no segundo trimestre de 2017, Chiquinho, que era vereador do Rio, demonstrou “descontrolada reação” à atuação de Marielle para a votação de um projeto de lei (PL).

A proposta deveria regularizar todo um condomínio na região de Jacarepaguá, na zona oeste da cidade, sem respeitar o critério de área de interesse social. Assim, eles iriam obter o título de propriedade para especulação imobiliária. Lessa está preso desde 2019, acusado de ser o dos disparos contra Marielle e seu motorista.

: revistaoeste

Sobre o autor

Avatar de Redação

Redação

Estamos empenhados em estabelecer uma comunidade ativa e solidária que possa impulsionar mudanças positivas na sociedade.