Mundo

Refém do Hamas denuncia comportamento brutal dos terroristas: relato chocante

2024 word1

Entre as muitas tragédias causadas pelos ataques do Hamas em 7 de outubro, destaca-se o caso de Luis Har, argentino-israelense de 71 anos. Ele deu um depoimento na sede do Fórum de Reféns e Famílias Desaparecidas, em , nesta semana, sobre o período que foi refém do Hamas.

Em 7 de outubro, ele foi sequestrado em sua casa no kibutz Nir Yitzhak, a 2 km da fronteira com Gaza, junto com sua esposa Clara e trĂȘs parentes dela, alĂ©m de um cachorro escondido sob a blusa de uma das sequestradas.

Nascido em Lomas de Zamora, na Região Metropolitana de Buenos Aires, Har passou 129 dias em cativeiro na Faixa de Gaza. Ele foi resgatado em fevereiro pelo Exército israelense junto com seu cunhado, Fernando Simón Marman, de 60 anos, irmão de Clara.

Clara e as outras duas mulheres foram libertadas pelo Hamas no final de novembro, durante um cessar-fogo entre os terroristas do Hamas e Tel-Aviv. A famĂ­lia de Har Ă© a Ășnica entre os refĂ©ns que teve cinco membros sequestrados e soltos sem feridos ou mortos.

Algumas comunidades, como a de Har, permanecem marcados pelos ataques. Muitas casas ainda exibem manchas de sangue, mobĂ­lia queimada, janelas quebradas e buracos de balas e granadas. Nir Oz, localizado 15 km ao norte de Nir Yitzhak, Ă© um exemplo.

Atualmente, Har e Clara vivem com a filha em Or Aqiva, ao norte de Tel Aviv, por causa da destruição de sua casa.

Har prestou depoimento sobre o período que foi refém do Hamas

De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, Har deu um depoimento na sede do Fórum de Reféns e Famílias Desaparecidas, em Tel Aviv, próximo à praça dos Reféns, onde ocorrem vigílias e protestos.

“Fui sequestrado na manhĂŁ de 7 de outubro em Nir Yitzhak”, contou Har. “Os terroristas fizeram um na cerca do kibutz e chegaram atĂ© a janela da minha casa. Entraram atirando com fuzis e conseguiram invadir o quarto-forte em que tĂ­nhamos nos escondido, mas nĂŁo nos mataram.”

Har conta que os terroristas do Hamas os jogaram dentro de uma caçamba de uma caminhonete que estava cheia de fuzis. Segundo o relato, a de um dos integrantes do grupo batia em seu rosto quando o veículo pulava.

“Cinco terroristas subiram junto conosco”, disse Har. “Eles tinham os olhos arregalados. Claramente estavam dopados. Tinham um comportamento absolutamente selvagem. Clara tentou afastar a ponta do fuzil do meu rosto, mas segurei a mão dela dizendo que não devíamos fazer nada que eles interpretassem como uma reação. Falávamos em espanhol entre , para que não nos entendessem.”

O argentino-israelense também detalhou como eram os locais onde os reféns do Hamas foram levados e explicou o funcionamento do cativeiro. Eles ficaram em uma casa, onde viveu em absoluta precariedade. O ambiente era insalubre.

“Fazíamos uso de um banheiro normal que havia na casa”, explicou Har. “Passamos vários dias sem água. Quando havia, não era água corrente. A água era racionada. Vinha num balde, e usávamos uma caneca para nos lavar e dar descarga na privada. Não ávamos descarga quando fazíamos xixi, para não desperdiçar. Deixávamos acumular.”

Har também contou que o proprietårio da casa tentou tranquilizar os reféns. Porém, os outros terroristas do Hamas eram violentos e faziam diversas ameaças.

“Os demais na casa eram violentos”, contou Har. “Andavam sempre armados, eram brutos e gritavam conosco. Eles nos contavam quantos refĂ©ns jĂĄ tinham morrido. Diziam que o ExĂ©rcito israelense estava matando os refĂ©ns nos ataques feitos a Gaza. Eles nos perguntavam por que querĂ­amos voltar para casa se, dali a dois ou trĂȘs anos, eles voltariam a cruzar a fronteira para nos sequestrar e matar.”

Har e seu cunhado foram resgatados pelas Forças de Defesa de Israel em 12 de fevereiro.

Fonte: revistaoeste

Sobre o autor

Avatar de Redação

Redação

Estamos empenhados em estabelecer uma comunidade ativa e solidåria que possa impulsionar mudanças positivas na sociedade.