Grupo do Whatsapp Cuiabá
Lifestyle

Ex-alunos de escolas remotas se formam em professores online para ajudar suas comunidades isoladas

2024 word3
CRM Com Automação Canal Mídia

Tudo que um deseja é poder oferecer a melhor experiência educativa para os seus alunos, e é claro que para isso uma boa formação profissional conta muito. Só que há inúmeras realidades, que muitos dos que moram nas grandes cidades sequer se dão conta de que existem, em que o acesso à formação é um enorme desafio.

Siga o Sempre Dia de Ajudar no Instagram!

Pense, por exemplo, em Guaraqueçaba, no litoral do Paraná, um município com 7,5 mil habitantes, distante 172 km de Curitiba, e com uma enorme área de 2 mil km². Uma das comunidades do município, Itaqui, fica a uma hora e meia de barco da sede, ou a três horas de carro. O que mudou a realidade dos professores que trabalham na escola local, que atende cerca de 50 crianças e adolescentes, foi a possibilidade de formar-se à distância.

Uma nova realidade

O casal Tatiane de Lara e Edenilson de Lara Gonçalves cresceram na comunidade e estudaram na mesma escola onde hoje dão aula. Com a chegada da internet via satélite na comunidade há cinco anos, eles finalmente viram a possibilidade de cursarem o ensino superior, através da modalidade de Educação a Distância (EaD).

Os esposos estão prestes a se formar em
Pedagogia pelo Centro Universitário Internacional Uninter. Gonçalves, porém, já
tem uma graduação e uma pós-graduação em Geografia, também pela Uninter, e atua
como professor da rede estadual na comunidade.

“Vi na Educação a Distância uma oportunidade de mudar minha realidade”, comenta Tatiane. “Escolhemos a licenciatura, pois é a profissão que nos permite trabalhar localmente e ajudar a nossa comunidade. Passamos por grandes desafios, muitas vezes falta merenda, materiais escolares essenciais e até mesmo segurança, mas nosso propósito com a educação é maior do que os problemas”.

Atrás dos sonhos

Já a professora Josiane dos Anjos Dias Pereira mora na
comunidade de Sibuí, distante também uma hora e meia de barco do centro do
município, mas em outra direção. Ali, os desafios para levar educação à comunidade
local são ainda maiores: a região não possui energia elétrica e seus moradores
dependem de placa solar. Em períodos longos de chuva, todos ficam no escuro. A
internet funciona via satélite, mas depende da eletricidade.

Para conseguir terminar os estudos, ela
teve que deixar Sibuí e ir morar na casa de parentes em Guaraqueçaba, pois na
época a escola local não oferecia o ensino médio. Logo depois, ela foi
trabalhar de doméstica para conseguir pagar a faculdade.

Hoje ela já é formada em Pedagogia, tem
uma pós-graduação em Alfabetização e Letramento e agora cursa a segunda
licenciatura, em Letras. De volta a Sibuí, ela dá aula de manhã para crianças
da educação infantil e do fundamental I, e à noite pega um barco e após 30
minutos de viagem está em Tibicanga, a vizinha, onde atua no EJA
(Educação de Jovens e Adultos).

“Graças à EAD eu consegui meu diploma.
Além de ser uma modalidade mais econômica, eu não precisava me deslocar
diariamente até uma cidade maior para estudar”, conta. “É muito gratificante
fazer parte da formação das crianças e adolescentes da minha comunidade. Eu,
como professora, tenho a ão de ajudá-los a alcançar seus sonhos e
escolherem o melhor caminho”.

Fonte: semprefamilia.com.br

Sobre o autor

Avatar de Fábio Neves

Fábio Neves

Jornalista DRT 0003133/MT - O universo de cada um, se resume no tamanho do seu saber. Vamos ser a mudança que, queremos ver no Mundo