Grupo do Whatsapp Cuiabá
Lifestyle

Clube de leitura transforma a vida de adolescentes em ressocialização

2024 word1
CRM Com Automação Canal Mídia

O sociólogo e crítico literário Antonio Candido defendia a como um direito humano fundamental, devido ao seu papel humanizador e à sua capacidade de formação da personalidade, na medida em que ela nos põe em contato com diferentes sensibilidades e com realidades que não experimentamos em primeira pessoa. Há dois anos, quem tem comprovado isso na prática são os profissionais e os apreendidos dos centros socioeducativos do Paraná – unidades que executam as medidas privativas de liberdade no de jovens de 12 a 21 anos que entram em com a lei.

Siga o Sempre Dia de Ajudar no Instagram!

Isso porque, no começo da pandemia da Covid-19, a assistente social Andressa Cândido deu início a um trabalho despretensioso no Centro de Socioeducação (Cense) de Londrina II: como havia passado para o regime de teletrabalho, a profissional teve a ideia de acompanhar os jovens por meio de um Clube de Leitura, trabalhando temáticas como o racismo e o machismo. “São temas que têm a ver com o ato infracional dos jovens, mas que, dando a eles um espaço de fala, permitem que eles se vejam para além do ato infracional”, explica Andressa.

Logo na segunda rodada do Clube de Leitura – um livro é
proposto a cada mês –, o projeto ultrapassou as fronteiras do Cense II e
atingiu outros centros. Hoje as 28 unidades do sistema socioeducativo
paranaense, ligado à Secretaria da Justiça, Família e Trabalho (Sejuf) do
governo do estado, estão envolvidas com o projeto, sobretudo as 18 que atuam
com regime de internato – as outras são de semiliberdade. Mas a participação
não é obrigatória: os 30 a 50 jovens que participam dos encontros virtuais a
cada mês aderem livremente à proposta.

De Torto arado,
premiado romance brasileiro de 2019, ao best-seller juvenil Diário de um banana, os socioeducandos
têm navegado por diferentes gêneros literários em uma viagem transformadora. O
impacto do projeto lhe rendeu em 2021 o posto de um dos vencedores da primeira
edição do Prêmio Prioridade Absoluta, promovido pelo Conselho Nacional de Justiça
(CNJ) na categoria “Poder Público – entidade do Poder Executivo (administração
direta da esfera estadual)”. Desde então, o próprio CNJ passou a replicar a
ideia em nível nacional.

O ineditismo fica por conta do formato online, que permitiu
duas vias de interação importantes: por um lado, o contato entre os jovens de
diferentes centros espalhados pelo Paraná traz outra perspectiva para a
situação de cada um; por outro, foi possível colocá-los em contato com
, convidados a cada mês para um bate-papo sobre a obra – muitas vezes,
é o próprio escritor, como foi o caso de Itamar Vieira Junior, autor de Torto arado, e de Edi Rock, do Racionais
MC’s, um dos autores do livro Sobrevivendo
no Inferno
.

Como se as grades deixassem de existir

“A gente frisa bastante a questão da horizontalidade que os
meninos experimentam ao conversar entre si e com o autor. Os próprios autores e
estudiosos se apresentam com uma linguagem acessível”, conta Amarildo de Paula
Pereira, diretor do Cense II. “Essa forma horizontal de trabalhar com o adolescente
trouxe uma humanização e uma aproximação que faz com que as grades pareçam deixar
de existir”.

A psicóloga da unidade, Thayane Carolina, corrobora: “Os meninos
se surpreendem com uma capacidade de leitura que eles nem imaginavam que
tinham. Eles se empoderaram, se reconhecendo capazes de ler e de discutir as
leituras que faziam”. No Cense II, Thayane contribui com o acompanhamento da leitura
dos jovens ao longo do mês, contextualizando os adolescentes a respeito do
livro, ajudando-os a se aproximar de estilos literários variados e garantindo
que, na videoconferência, eles se sintam à vontade para compartilhar suas
experiências com a leitura.

“Colocar o adolescente na posição de protagonista dá a ele
uma facilidade de se comunicar, porque agora ele sabe que será escutado. Isso
faz diferença até mesmo na postura dos adolescentes nas audiências”,
complementa Amarildo. “Eles colocam a opinião deles, concordam, discordam,
interpelam. O Clube de Leitura fez com que os meninos se tornassem sujeitos da
história socioeducativa deles”.

Além do arroz e feijão

O alcance do projeto tem até mesmo mudado a forma como as
unidades se relacionam com a comunidade ao seu redor e com a sociedade em
geral, quebrando estereótipos comuns. “Antes a gente tinha que ir atrás para
fazer parcerias. Hoje são as pessoas que vêm até propor atividades”, resume
Amarildo. Além disso, a relação entre os profissionais das diferentes unidades
se estreitou, com a promoção da troca de ideias e uma maior sintonia no
trabalho de equipe. “A conexão entre as equipes enriquece muito o atendimento dos
adolescentes, que às vezes são transferidos de uma unidade para outra”, explica
Thayane.

Em um mundo marcado muitas vezes pela indiferença, sentir-se
protagonista, capaz de refletir e de dialogar sobre os temas levantados pelas
leituras, é um passo de fundamental importância para os socioeducandos. “No
campo do serviço social, a gente estava acostumado a fazer apenas o arroz e
feijão do atendimento individual. Como se o adolescente socioeducando não
merecesse atividades diferentes”, diz Amarildo.

Diante disso, sentar-se à mesa com estudiosos e autores num Clube de Leitura é algo que antes parecia inimaginável, na avaliação de Andressa. “Esse jovem foi invisível a vida inteira. Quando cometeu o ato infracional, ganhou visibilidade, mas negativa”, diz a assistente social. “Com esse projeto, queremos olhar o adolescente com afeto e cuidado, enxergando o que ele tem de melhor”.

Fonte: semprefamilia.com.br

Sobre o autor

Avatar de Fábio Neves

Fábio Neves

Jornalista DRT 0003133/MT - O universo de cada um, se resume no tamanho do seu saber. Vamos ser a mudança que, queremos ver no Mundo