Grupo do Whatsapp Cuiabá
Ciência & Saúde

Transplantes de cérebro: mito ou realidade à la ‘Pobres Criaturas’?

CRM Com Automação Canal Mídia

Dan Baumgardt é professor da Escola de Fisiologia, Farmacologia e Neurociência da Universidade de Bristol. O texto abaixo saiu originalmente no site The Conversation, que publica artigos escritos por pesquisadores. a visita.

O neurocirurgião Sergio Canavero anunciou em 2015 que em breve poderá ser capaz de realizar o primeiro procedimento de transplante de cabeça humana do mundo. Isso significaria que seria possível remover a cabeça de alguém e enxertá-la no pescoço e nos ombros de outra pessoa. Até o momento, isso só foi realizado em cadáveres, e não em seres humanos vivos.

Mas suponha que você queira manter o rosto que já tem? Ou se cansou do corpo que habita? Seria possível trocar de cérebro entre corpos?

Emma Stone ganhou recentemente seu segundo Oscar por sua atuação na comédia brilhantemente surrealista “Pobres Criaturas” (Poor Things). No filme, a personagem de Stone, Bella Baxter, recebe um transplante de cérebro de um filho sobrevivente que ainda não nasceu, depois de se matar. A cirurgia é realizada pelo cientista experimental Dr. Godwin Baxter (interpretado por Willem Dafoe).

Qualquer pessoa que tenha assistido ao filme verá o Dr. Baxter remover o cérebro da parte de trás do crânio, descascando-o tão facilmente quanto uma ervilha de uma vagem.

Por motivos que explicarei mais tarde, essa cena não é anatomicamente correta, mas levanta a questão: quão viável é realizar um transplante de cérebro? Quais são os aspectos práticos da operação que talvez seja a mais desafiadora já concebida?

Desafio um: entrar e sair

O cérebro tem a textura de um manjar macio e é protegido contra danos pelo crânio. Apesar de ser um osso duro de roer, o osso provavelmente seria a estrutura mais fácil de lidar nesta operação. As técnicas neurocirúrgicas modernas utilizam serras de craniotomia para remover um pedaço do crânio e acessar o cérebro por baixo.

Vale a pena observar que nem todas as operações neurocirúrgicas alcançam o cérebro dessa forma. A glândula pituitária, do tamanho de uma ervilha, fica na base do cérebro, logo atrás de um dos seios da face na parte posterior da cavidade nasal. Nesse caso, faz sentido usar o nariz para a cirurgia da hipófise.

Embora o nariz não seja grande o suficiente para inserir um novo cérebro, ele certamente pode funcionar como uma via para a remoção de um – embora em pedaços. Durante o processo de mumificação os antigos egípcios, que consideravam o cérebro sem importância, removiam pedaços dele pelas passagens nasais.

Após o crânio, chega-se ao envoltório do cérebro: três membranas protetoras, ou meninges. A primeira, a dura-máter, é resistente. A segunda, apropriadamente chamada de aracnoide, é como uma teia de , enquanto a pia, a terceira, é delicada e invisivelmente fina. São essas estruturas que ficam inflamadas na meningite.

Essas membranas proporcionam estabilidade e evitam que o cérebro se desloque. Elas também separam as vísceras do crânio em compartimentos. O primeiro fornece um manguito de fluido protetor ao redor da parte externa do cérebro – pense em pepinos flutuando em uma jarra de vinagre. Conhecido como líquido cefalorraquidiano (LCR), ele é feito de sangue filtrado e é incolor.

As meninges também formam canais entre o cérebro e o crânio. Essas são as vias pelas quais o sangue e o LCR da cabeça retornam ao .

Ao abrir o crânio e as meninges, haverá uma janela suficiente para remover o cérebro. Essa seria a parte mais da operação.

Desafio dois: conectando os circuitos

Agora é hora de colocar o novo cérebro. E é aqui que as coisas ficam complicadas.

O cérebro recebe informações sensoriais de todo o corpo e envia instruções de volta para ele, fazendo com que os músculos se contraiam, o coração bata e as glândulas secretem hormônios. A remoção de um cérebro requer o corte dos 12 pares de nervos cranianos que saem diretamente dele e da medula espinhal. As informações entram e saem do cérebro por meio de todas essas estruturas. Está vendo a dificuldade?

Os nervos não se unem simplesmente. Assim que você os corta, eles normalmente começam a desintegrar e morrer, embora alguns sejam mais resistentes a danos do que outros. Grupos de pesquisa em todo o mundo experimentam como promover o crescimento de células nervosas após danos para evitar sintomas neurológicos. As ideias sobre como isso pode ser feito são variadas, mas incluem o uso de produtos químicos ou enxertos em células que estimulem a recuperação neuronal.

Os pesquisadores também sugeriram que uma cola biológica especial poderia ser usada para unir novamente as duas extremidades cortadas de um nervo ou medula espinhal.

A remoção do cérebro antigo também exigiria o corte das artérias que fornecem sangue. Isso terá cortado o oxigênio e a nutrição essenciais, e também exigirá algum reacoplamento.

Desafio três: as consequências

O período final e mais incerto é o das consequências. E a lista de especulações é interminável. O paciente recuperará a consciência? Ele será capaz de pensar? Se movimentar? Respirar? Como o corpo reagirá ao novo cérebro?

A maioria das cirurgias de transplante exige doadores compatíveis com os receptores, pois a reação normal do corpo a tecidos desconhecidos é rejeitá-los. O sistema imune envia uma cavalaria de glóbulos brancos e anticorpos para atacar e destruir, convencido de que essa nova presença é prejudicial. Normalmente, o cérebro é protegido contra esse ataque por outro escudo, chamado de barreira hematoencefálica. Se ela não for reconstruída adequadamente durante a operação, o cérebro do poderá ser atacado.

É igualmente importante considerar como o cérebro reagirá ao seu novo lar. Em “Pobres Criaturas” é relatado que o cérebro e o corpo de Bella Baxter “não estavam bem sincronizados”. Mas o cérebro pode aprender a crescer. Assim, da mesma forma que os bebês adquirem um arsenal de pensamentos, comportamentos, habilidades e capacidades durante seu desenvolvimento infantil, um cérebro transplantado pode fazer o mesmo.

Portanto, atualmente, o transplante de cérebro continua sendo coisa de ficção científica e de cinema premiado pela Academia. A viabilidade de acordo com a anatomia e a fisiologia básicas torna improvável o desenvolvimento de um procedimento tão complexo. Mas será que mais tempo, ferramentas, tecnologias, conhecimento e, é claro, dinheiro algum dia o tornarão viável? Se “Pobres Criaturas” oferece um vislumbre da ética da troca de cérebros, então esse é um pensamento assustador.

Este artigo foi originalmente publicado em Inglês.

window.NREUM||(NREUM={});NREUM.info={“beacon”:”bam.nr-data.net”,”licenseKey”:”a715cdc143″,”applicationID”:”420428730″,”transactionName”:”YF1WYRNXWxJZABFRVlkXdVYVX1oPFxAMVl5bXQ==”,”queueTime”:0,”applicationTime”:570,”atts”:”TBpBF1tNSE0aAkcCQkpF”,”errorBeacon”:”bam.nr-data.net”,”agent”:””}

Fonte: abril

Sobre o autor

Avatar de Redação

Redação

Estamos empenhados em estabelecer uma comunidade ativa e solidária que possa impulsionar mudanças positivas na sociedade.