Grupo do Whatsapp Cuiabá
Ciência & Saúde

Mantenha suas pernas quietas à noite: sinais de alerta que requerem uma consulta com um médico do sono

2024 word3
CRM Com Automação Canal Mídia

Quem já dormiu uma noite inteira, mas mesmo assim acordou cansado no outro dia? Não é tão raro, certo? E você conhece alguém que dorme, mas permanece em alerta, acordando com qualquer barulho? Pois é, no último mês conversamos sobre distúrbios do ritmo circadiano sono-vigília e também sobre os distúrbios respiratórios do sono. Porém, não são apenas esses os transtornos que podem interferir no seu descanso.

Especialista em medicina do sono, a psiquiatra Camilla Pinna explica que os transtornos do sono são divididos em seis grupos, sendo eles as insônias, as hipersonias, os distúrbios do movimento, os distúrbios respiratórios, as parassonias e os distúrbios do ritmo circadiano sono-vigília.

Eles são assim divididos principalmente de acordo com a fase do sono em que acontecem, ou seja, sono não-REM ou sono REM. “O sono REM (Rapid Eye Movement) é aquele no qual há apenas os movimentos dos olhos, é o momento no qual sonhamos”, explica Marcela Cordellini, neurologista do Hospital INC, em Curitiba.

Para exemplificar, o principal distúrbio do sono REM é comportamental, no qual “vivenciamos” o nosso sonho, com movimentos do corpo, gritos, socos e até conversas. Enquanto o terror noturno, que acomete principalmente crianças, que também gritam e gemem, acontece no sono não-REM.

A insônia também é transtorno do sono

Ainda que muitos acreditem que a insônia é apenas a dificuldade em conseguir dormir, ela é mais do que isso. “Pode ser inicial, quando não conseguimos pegar no sono, ou de manutenção, em que acordamos no meio da noite com dificuldade de voltar a dormir e aí acabamos despertando antes de completar a noite de sono”, diferencia Marcela.

E além do momento no qual ocorre, a insônia também pode ser classificada de acordo com parâmetros como a sua duração: aguda ou crônica.

Por serem
inúmeras as causas para seu aparecimento, a especialista orienta que o paciente
busque, junto com um profissional especializado, investigar as causas
secundárias, como ansiedade, depressão, má higiene do sono, uso de medicações
prescritas, ou substâncias estimulantes. “Afinal, a insônia primária, ou seja, sem
outra causa, é mais rara”, destaca a neurologista.

Inclusive, os transtornos psiquiátricos também podem estar associados à insônia, principalmente a ansiedade e depressão, que costumam influenciar na qualidade e quantidade de horas de sono.

E, embora
a maior parte da população apresente de insônia em algum momento da
vida, Camilla alertou, durante o 39º Congresso Brasileiro de Psiquiatria,
realizado em Fortaleza no início de outubro, que algumas pessoas parecem ter
uma maior predisposição para sua ocorrência e para a cronificação das queixas,
apresentando um aumento do estado de alerta.

Síndrome das pernas inquietas 

Além da insônia, é muito comum encontrar pessoas que tem um transtorno de movimento relacionado ao sono, ainda que não o saibam: a síndrome das pernas inquietas.

Embora a sensação desconfortável nas pernas aconteça enquanto o paciente está acordado, sendo descrita muitas vezes como formigamento, desconforto e mal-estar nos períodos de repouso e ao deitar-se para dormir, a doença também é um transtorno do sono. Isso porque a dificuldade para adormecer e se manter dormindo são muito frequentes nesses casos, prejudicando o sono e levando a cansaço, sonolência e falta de disposição.

“Além da
própria sensação desconfortável que ela causa e da dificuldade no sono de
qualidade, ela pode trazer prejuízos na qualidade de vida da pessoa, inclusive
nas atividades durante o dia que exijam repouso, como trabalhar no escritório
ou sentar em um avião”, exemplifica Marcela.

Embora não exista ainda uma causa identificada para a síndrome de pernas inquietas ou fatores de predisposição para essa condição, Camilla acredita que ela pode estar relacionada à deficiência de ferro e à disfunção da dopamina em determinadas áreas do cérebro. “Há também um componente genético importante, pois ela ocorre com frequência em parentes próximos”, acrescenta ela.

Inexistindo exame complementar que comprove o diagnóstico, o médico especialista irá se basear na história e no exame físico do paciente, descartando causas secundárias. “É importante também avaliar outras condições clínicas que podem ocasionar os sintomas, como deficiência de ferro, diabetes, insuficiência renal, gestação”, orienta a psiquiatra.

Em casos leves, segundo ela, mudanças de hábitos que agravam os sintomas podem já ser suficientes, como a suspensão do tabagismo e do consumo de álcool e cafeína. Porém, pode ser necessário o uso de medicamentos, principalmente agonistas dopaminérgicos, estabilizadores de membrana e eventualmente opioides, associados ao tratamento de situações comórbidas como o próprio transtorno de ansiedade.

Por isso, considerando a diversidade dos transtornos do sono, é indicado que frente a qualquer alteração no período de descanso ou cansaço no período de vigília, o paciente busque um profissional especializado para retomar sua qualidade de vida.

Fonte: semprefamilia.com.br

Sobre o autor

Avatar de Fábio Neves

Fábio Neves

Jornalista DRT 0003133/MT - O universo de cada um, se resume no tamanho do seu saber. Vamos ser a mudança que, queremos ver no Mundo