📝RESUMO DA MATÉRIA

  • Se você sofre de azia crônica, um novo estudo indica que ingerir curcumina, o composto polifenólico biologicamente ativo encontrado no açafrão, pode oferecer a mesma proteção e alívio que o inibidor da bomba de prótons (IBP), o popular Prilosec (omeprazol)
  • Apesar de conhecer os efeitos colaterais graves associados aos IBPs, os dados indicam que as pessoas recebem prescrições e os tomam em doses mais altas e por mais tempo do que o recomendado pelas diretrizes clínicas
  • Os IBPs podem aumentar o risco de infecção intestinal, deficiência de vitamina B12, doenças cardíacas, ataques cardíacos, fraturas ósseas e eventos de lúpus eritematoso cutâneo e sistêmico. Em apenas uma semana de uso, os IBPs estão associados a prejuízos significativos na atenção, memória visual, funções executivas e funções de trabalho e planejamento
  • As ações que você pode tomar para reduzir os sintomas de forma natural são: identificar os alimentos desencadeadores e eliminá-los, não comer dentro de quatro horas antes de dormir, considerar elevar a cabeceira da cama se tiver sintomas noturnos e não usar roupas apertadas na cintura

🩺Por Dr. Mercola

A curcumina é o principal composto polifenólico biologicamente ativo do açafrão e dá ao tempero uma coloração amarela. Um estudo de 2023 publicado no BMJ Journal concluiu que a curcumina tem mais um benefício para a saúde – ela a melhorar os resultados em pessoas com dispepsia funcional.

Na última década, os pesquisadores descobriram vários benefícios para a saúde ao incluir o açafrão e a curcumina em sua dieta. Como relatado em 2021, a curcumina estava entre as cinco principais substâncias que os pesquisadores descobriram poder melhorar os resultados contra o COVID. Porém, por si só, o açafrão e a curcumina apresentam baixa quando ingeridas por via oral.

Os pesquisadores atribuíram isso à capacidade limitada do corpo de absorver o composto e à rápida capacidade do corpo de metabolizá-lo e eliminá-lo. No entanto, a pesquisa também demonstrou que, quando tomada com diferentes compostos, a biodisponibilidade pode melhorar e, portanto, aumentar os vários benefícios à saúde atribuídos à curcumina.

Por exemplo, quando consumida com piperina, um alcaloide encontrado na pimenta-do-reino, a biodisponibilidade da curcumina aumenta em 2.000%. A combinação da curcumina com a bromelaína, uma protease do caule do abacaxi, também “aumenta muito a absorção da curcumina após administração oral”.

A curcumina pode ser eficaz para displasia funcional

Como afirmado no artigo apresentado, 151 pessoas completaram o estudo. O grupo foi dividido em quatro grupos. Eles receberam duas cápsulas de 250 mg de curcumina quatro vezes ao dia, uma cápsula de placebo, 20 mg de Prilosec (omeprazol) e duas pílulas de placebo quatro vezes ao dia, ou açafrão mais Prilosec.

O Prilosec é um inibidor da bomba de prótons (IBP) usado com frequência para tratar dispepsia funcional. A dispepsia funcional é um tipo de indigestão crônica com sintomas de sensação de saciedade ou inchaço durante e após as refeições, azia e arrotos excessivos.

Os pesquisadores estavam interessados ​​em saber como a curcumina poderia afetar o trato gastrointestinal, então nenhum composto adicional foi incluído para aumentar a biodisponibilidade. O estudo foi um ensaio clínico randomizado, duplo-cego e controlado que envolveu participantes com dispepsia funcional de hospitais universitários na Tailândia.

O principal indicador de resultado utilizado foi a pontuação da Avaliação da da Dispepsia (SODA), que foi medida nos dias 28 e 56 para avaliar dor, ausência de dor e satisfação com o tratamento. Os resultados secundários avaliados incluíram eventos adversos e eventos adversos graves.

No início do estudo, os pacientes de todos os grupos apresentavam características clínicas e pontuações semelhantes na SODA. Ao avaliar os resultados, os pesquisadores descobriram que nos dias 28 e 56, as pontuações da SODA indicaram uma redução significativa nos sintomas para todos, exceto o grupo placebo.

As melhorias foram maiores no dia 56. Os pesquisadores relataram que não ocorreram eventos adversos graves durante o estudo, mas reconheceram que os indivíduos com sobrepeso sofreram alguma deterioração da função hepática ao tomar curcumina.

Os pesquisadores reconheceram vários fatores limitantes, incluindo o tamanho do estudo, a curta intervenção e a falta de dados a longo prazo. Apesar dessas limitações, os pesquisadores observaram que “A força do estudo está na sua relevância para a prática clínica diária, fornecendo opções adicionais de medicamentos além dos IBPs isolados, sem efeitos colaterais adicionais”. e “… as novas descobertas do nosso estudo podem justificar a consideração da curcumina na prática clínica”.

O que você come importa para sua azia

Embora possa parecer contraintuitivo, uma das causas mais comuns de azia é a quantidade insuficiente de ácido estomacal. Seu corpo usa o ácido estomacal para digerir os alimentos, decompondo-os para absorver os nutrientes. Sem ácido estomacal suficiente, os alimentos não digeridos podem causar indigestão e azia. Os alimentos não digeridos também podem causar crescimento bacteriano excessivo.

No entanto, se você usar IBPs, eles reduzem ainda mais a acidez estomacal e, com o tempo, podem fazer com que as glândulas do estômago que secretam ácido parem de funcionar. Um estudo de 2017 sugeriu que uma dieta mediterrânea focada em frutas, gorduras saudáveis, carne magra e vegetais poderia ser tão eficaz quanto os IBPs no tratamento dos sintomas de refluxo ácido.

O estudo envolveu 184 participantes e observou que, após seis semanas, aqueles que mudaram sua dieta tiveram uma redução maior nos sintomas de refluxo do que aqueles que usaram medicamentos IBP. O estudo mediu os sintomas do refluxo laringofaríngeo, no qual o ácido estomacal afeta o tecido na parte de trás da garganta.

Cada uma de suas escolhas alimentares pode desempenhar um papel nos sintomas de azia, incluindo as bebidas. Para o alívio ocasional dos sintomas, a água alcalina, também testada no estudo, pode ajudar a neutralizar o ácido e oferecer alívio. Você pode adicionar 1 colher de chá de bicarbonato de sódio a 120 ml de suco de laranja e misturar.

Como a reação causa espuma, certifique-se de que o copo esteja apenas até a metade para evitar que transborde. Outra opção é adicionar um pouco de suco de limão ou limão siciliano, ou meia a 1 colher de chá de bicarbonato de sódio em um copo de água filtrada.

Porém, gostaria de ressaltar a importância de usar água alcalina apenas como solução temporária e se o refluxo for causado por excesso de ácido estomacal. A conclusão final é que o consumo diário de água muito ácida ou muito alcalina pode desequilibrar o pH do seu trato gastrointestinal e provocar azia.

Os IBPs têm efeitos colaterais graves

Os IBPs estão associados a vários efeitos colaterais significativos. Por exemplo, indivíduos que os utilizam com frequência podem desenvolver deficiência de vitamina B12, pois eles reduzem a capacidade do corpo de absorver a vitamina B12 dos alimentos. A vitamina B12 é uma vitamina solúvel em água necessária para a formação de glóbulos vermelhos, síntese de DNA e para o desenvolvimento do sistema nervoso central.

Um estudo de 2017 indica que os IBPs podem aumentar o risco de infecção intestinal. O estudo envolveu um total de 564.969 usuários de IBP e controles (188.323 usuários de IBP e 376.646 do grupo controle) e descobriu que aqueles que tomavam certos medicamentos para azia tinham um risco maior de desenvolver infecções bacterianas por C. difficile e campylobacter relacionadas à supressão da produção de ácido estomacal.

A pesquisa também descobriu que mesmo o uso de IBP a curto prazo pode contribuir para alterações cognitivas e o uso a longo prazo está ligado à demência.Um estudo de 2015 sugeriu que os IBPs estavam associados a grandes prejuízos clínicos e estatísticos na atenção, funções executivas, memória visual e funções de trabalho e planejamento após apenas uma semana de uso.

Por fim, o uso a longo prazo também foi relacionado a doenças renais crônicas, doenças cardíacas e ataques cardíacos, e ao aumento do risco de fraturas ósseas e eventos de lúpus eritematoso cutâneo e sistêmico.

Apesar dessas evidências, um estudo de utilização de medicamentos a nível nacional na Islândia, realizado em 2018, demonstrou um aumento contínuo do consumo geral nos últimos 13 anos, em particular em adultos mais velhos.

Os pesquisadores perceberam que “os pacientes estavam sendo cada vez mais tratados, com doses mais altas e por períodos mais longos do que o recomendado pelas diretrizes clínicas”. Um estudo de 2022 realizado na Espanha encontrou resultados semelhantes, nos quais os pesquisadores observaram um aumento no uso de IBPs, sobretudo em uma população com mais de 65 anos, “apesar do risco de declínio cognitivo e quedas”.

Uma revisão da literatura de 2023 identificou estudos observacionais sobre o uso de IBPs em indivíduos com mais de 18 anos em vários bancos de dados de 23 países.Os dados indicaram que das pessoas que utilizavam IBPs, 63% tinham menos de 65 anos, 56% eram mulheres e cerca de dois terços tomavam doses altas de IBPs, sendo 25% delas por mais de um ano e 28% por mais de três anos.

Depois de analisar os dados globais, os pesquisadores concluíram: “Dado o amplo uso de IBPs e a crescente com o uso a longo prazo, esta revisão fornece um catalisador para apoiar um uso mais racional, em especial com a continuação prolongada desnecessária”.

Passos naturais para reduzir os sintomas

Como já escrevi antes, os IBPs têm efeitos graves na sua saúde, por isso é aconselhável considerar primeiro alternativas não medicamentosas para reduzir os sintomas.Como os alimentos que você ingere afetam os sintomas de refluxo e azia, você pode começar identificando os alimentos que desencadeiam seus sintomas e eliminá-los da  sua dieta.

Se você estiver tomando um IBP, é de vital importância que você procure abandoná-lo o mais rápido possível com a orientação do seu médico.O melhor bloqueador H2 seria o Pepcid (famotidina), que você também irá abandonar de forma gradual.

Os alimentos que aumentam a azia em geral incluem alimentos fritos e processados, como fast food, pizza e batatas fritas ou salgadinhos fritos semelhantes.Outros alimentos que fazem parte da lista são molhos à base de tomate, frutas cítricas e bebidas carbonatadas.

Depois de eliminar os alimentos que desencadeiam os sintomas, há várias outras etapas que você pode seguir.Evite roupas apertadas na cintura ou no meio do corpo, já que isso pode aumentar os sintomas de azia.

Quando você se senta, roupas apertadas comprimem a região abdominal, aumentando o risco de que o conteúdo do estômago pressione o esfíncter na parte superior do estômago e você sofra refluxo.

É importante lembrar que, para muitas pessoas, a azia piora à noite, depois que você se deita para dormir.É mais fácil para a comida voltar pelo esôfago sem o impulso da gravidade quando você está em pé.

Não coma três a quatro horas antes de dormir à noite e, se ainda tiver problemas, tente elevar a cabeceira da cama cerca de 15 cm.Não durma com travesseiros extras, pois isso aumenta a tensão no pescoço e nos ombros.

O ângulo dos travesseiros também pode aumentar a pressão no abdômen, dependendo da posição.Em vez disso, considere blocos específicos vendidos para elevar a cama, o que a estabiliza para que ela não se mova à noite.

Faz muito tempo que o gengibre é conhecido por ter um efeito gastroprotetor.Adicione 2 xícaras de água quente com duas ou três fatias de raiz de gengibre fresco e deixe em infusão por alguns minutos. Beba cerca de 20 minutos antes de comer. E se a azia te incomodar à noite, experimente uma xícara de chá de camomila cerca de uma hora antes de dormir.