Grupo do Whatsapp Cuiabá
Ciência & Saúde

Crianças que crescem em áreas verdes têm menos chances de desenvolver TDAH, revela estudo

2024 word3
CRM Com Automação Canal Mídia

A natureza acalma e ajuda na concentração? Talvez afirmar isso seja muito mais do que senso comum: é que uma equipe de pesquisadores da Universidade de Aarhus, na Dinamarca, comprovou que, quando uma criança vive em uma casa próxima a espaços verdes, as chances de desenvolvimento do transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) são menores.

Siga o Sempre Dia de Ajudar no Instagram!

Caracterizado pela falta de atenção, inquietação e impulsividade, o TDAH é um dos diagnósticos psiquiátricos mais frequentes entre os pequenos e pode perdurar por toda a vida. As informações são da Agência Einstein.

“Nossos achados mostram que crianças expostas a ambientes com menos vegetação até os cinco anos de idade possuem maior risco de receber um para TDAH em comparação com crianças que cresceram cercadas por áreas verdes”, explica Malene Thygesen, uma das autoras do estudo, publicado na revista científica Environmental Health Perspectives. As constatações foram obtidas cruzando os dados residenciais de cerca de 814 mil indivíduos nascidos no país entre 1992 e 2007 com os diagnósticos de TDAH em crianças a partir dos cinco anos, no período de 1997 a 2016.

Os
dados habitacionais incluíam o Índice de Vegetação da Diferença Normalizada
(NDVI, na sigla em inglês), que classifica os arredores de cada residência
entre uma vegetação esparsa, como aquela encontrada nas grandes cidades, e uma
vegetação mais densa, como florestas, áreas rurais e parques urbanos. Os pesquisadores
descobriram que uma correlação consistente: para cada diminuição de 0,1 ponto
no NDVI, o risco de desenvolvimento de TDAH aumentava em 3%.

Explicações

“Os
mecanismos básicos dos benefícios dos espaços verdes sobre a saúde mental ainda
não são inteiramente compreendidos, mas diferentes caminhos foram sugeridos”, afirma
o estudo. Uma das explicações está na teoria da restauração de atenção, hipótese
que sustenta que sintomas como de
concentração e estresse podem ser reduzidos a partir do contato com a natureza.

Mas
há também outros fatores que se relacionam com a presença de espaços verdes nos
arredores de onde se vive: ali costumam ser menores os níveis de poluição
sonora e atmosférica, tanto por conta da menor circulação de veículos
motorizados quanto pelo processo de fotossíntese realizado pelas plantas. Segundo os cientistas, o excesso de estímulos causados pela
poluição pode aumentar a irritação e o estresse nas crianças.

Além disso, ambientes verdes promovem a realização de atividades físicas ao ar livre, estimulando as relações de amizade entre as crianças. “Espaços verdes podem agir como um facilitador que promove um cenário propício para o contato social e brincadeiras ao ar livre na vizinhança”, explicam os autores.

Fonte: semprefamilia.com.br

Sobre o autor

Avatar de Fábio Neves

Fábio Neves

Jornalista DRT 0003133/MT - O universo de cada um, se resume no tamanho do seu saber. Vamos ser a mudança que, queremos ver no Mundo