📝RESUMO DA MATÉRIA

  • Comparado com as pessoas que nunca consumiram chá, os consumidores diários de chá-preto tiveram um risco 53% menor de pré-diabetes e 47% menor de diabetes tipo 2
  • Os compostos bioativos do chá-preto podem influenciar a excreção de glicose nos rins, explicando alguns dos benefícios do chá
  • Pessoas que consomem chá-preto todos os dias, apresentaram um aumento na excreção urinária de glicose e redução da resistência à insulina
  • Pu-erh, um tipo de chá-preto, produzido por fermentação microbiana, que aumenta sua concentração de poderosos compostos bioativos
  • Entre adultos com diabetes tipo 2, a substituição de uma bebida açucarada por chá, trouxe benefícios à saúde, reduzindo a mortalidade por todas as causas em 16% e a mortalidade por doenças cardiovasculares em 24%

🩺Por Dr. Mercola

Segundo pesquisadores da Universidade de Adelaide, que descobriram que a bebida pode trazer um melhor controle do açúcar no , consumir uma xícara de chá-preto todos os dias pode reduzir o risco de diabetes. Sendo uma das bebidas mais consumidas e antigas no mundo, o chá é uma adição saudável e deliciosa à sua alimentação.

Pu-erh, um tipo de chá-preto, produzido por fermentação microbiana, que aumenta sua concentração de poderosos compostos bioativos, incluindo alcalóides, aminoácidos livres, polifenóis e polissacarídeos, levando a efeitos antioxidantes e antiinflamatórios.

O chá-preto se consumido todos os dias, pode trazer benefícios como a redução do risco de diabetes em 47%

O estudo envolvendo adultos com diabetes, pré-diabetes ou níveis normais de glicose que viviam em 8 províncias chinesas. Em comparação pessoas que nunca consumiram chá, os consumidores diários de chá-preto tiveram um risco 53% menor de pré-diabetes e 47% menor de diabetes tipo 2. O autor do estudo, Tongzhi Wu, professor da Universidade de Adelaide, explicou:

“As nossas descobertas sugerem que os efeitos protetores do consumo de chá no controle do açúcar no sangue através do aumento da excreção de glicose na urina, melhora da resistência à insulina, melhorando assim o controle do açúcar no sangue. Esses benefícios foram observados entre os consumidores diários de chá-preto.”

Em pessoas com diabetes, os rins recuperam mais glicose, ou seja, é menos excretada na urina, causando um aumento do açúcar no sangue. Os compostos bioativos do chá-preto podem influenciar a excreção de glicose nos rins, explicando alguns dos benefícios do chá.

Na verdade, o estudo, que foi apresentado na Reunião Anual de 2023 da Associação Europeia para o Estudo da Diabetes (EASD) em Hamburgo, descobriu que as pessoas que consumem chá com regularidade, tiveram um aumento na excreção urinária de glicose e reduziram a resistência à insulina. Segundo a Wu:

“Essas descobertas sugerem que as ações dos compostos bioativos no chá-preto podem afetar de maneira direta ou indireta a excreção de glicose nos rins, sendo esse um efeito semelhante a dos inibidores do cotransportador de sódio-glicose-2 (SGLT2), um novo anti -classe de medicamentos para diabéticos que não só previne e trata a diabetes tipo 2, mas também apresenta benefícios para o coração e rins.

Substituir outras bebidas por chá pode reduzir o risco de mortalidade

Entre os adultos com diabetes tipo 2, a escolha da bebida tem uma influência significativa na saúde e até as pequenas alterações podem trazer benefícios. Por exemplo, uma maior ingestão de bebidas com açúcar, como refrigerantes, está ligada à mortalidade por todas as causas e à incidência de doenças cardiovasculares, por outro lado, a ingestão de chá, como de café e água pura, está associada a uma menor mortalidade.

Até uma substituição de bebidas contendo açúcar por chá, trouxe benefícios à saúde, reduzindo a mortalidade por todas as causas em 16% e a mortalidade por doenças cardiovasculares em 24%. Substituir uma bebida adoçada de maneira artificial por chá, também apresentou redução da mortalidade por todas as causas.

O estudo European Prospective Investigation into Cancer and Nutrition-InterAct trouxe outro exemplo onde se estimou que a substituição de bebidas adoçadas com açúcar por chá numa quantidade de 250 gramas por dia (cerca de 8,8 onças) reduzia a incidência de diabetes tipo 2 em 22%.

Diversos tipos de chá apresentam benefícios para a prevenção de diabetes

Embora o estudo apresentado envolva chá-preto, como o Pu-erh, outros tipos de chá também trazem benefícios contra diabetes. Os compostos polifenólicos podem afetar o da glicose e a sinalização da insulina, com diversos benefícios adicionais, por esse motivo, a planta do chá Camellia sinensis tem sido utilizada há milhares de anos na medicina.

Entre as mulheres de meia-idade e mais velhas, ingerir 4 ou mais xícaras de chá por dia, foi associado a um risco 30% menor de diabetes tipo 2, em comparação com as pessoas que não consomem chá. Outro estudo descobriu que o consumo de 6 xícaras de chá-verde reduziu o risco de diabetes em 33% se consumido todos os dias.

As Catequinas incluem, epicatequina, epigalocatequina, epicatequina galato e epigalocatequina galato (EGCG) e são abundantes no chá-verde. O EGCG melhorou a homeostase da glicose e a cicatrização de feridas em ratos com diabetes. O EGCG também suprime o estresse oxidativo e regula a função mitocondrial, além de aliviar a resistência à insulina. 

Ainda que em pacientes com obesidade, diabetes tipo 2 ou pressão arterial elevada, beber chá verde levou a níveis reduzidos de glicemia de jejum, HbA1c e insulina em jejum, conforme revelado em uma meta-análise composta por 17 ensaios. O chá verde também influencia a diabetes através de seus efeitos sobre a adiponectina e mais:

“Apresenta o inverso da proporção de incidência de diabetes em diferentes populações, a adiponectina, o componente crucial na inter-relação entre adiposidade, resistência à insulina e inflamação. As concentrações de adiponectina em pacientes com DM2, reduzindo assim a possibilidade de diabetes, é maior com o chá-verde, como demonstrado numa meta-análise.

A atividade ou expressão de vários receptores e enzimas envolvidas na absorção, transporte metabólico e síntese de carboidratos são moduladas de maneira ativa pelas catequinas presentes no chá-verde.

… Foi relatado que vários parâmetros fisiológicos em indivíduos clínicos com diabetes, como peso corporal, índice de massa corporal, gordura corporal e perfil lipídico, são melhorados pelo chá-verde e seus constituintes, melhorando assim as condições de vida.”

Além de propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes, esses compostos possuem efeitos anticancerígenos ajudam na prevenção de câncer de pulmão, mama, esôfago, estômago, fígado e próstata.

O chá-verde pode prevenir doenças cardíacas ao dissolver a placa arterial, dizem pesquisadores da University of Leeds e da Lancaster University. Esse composto também inibe a formação da placa beta amiloide no cérebro, que está associada à doença de Alzheimer, segundo outras pesquisas.

Os polifenóis do chá influenciam a obesidade e a saúde intestinal

Os compostos do chá podem ajudar na otimização do peso corporal e na microbiota intestinal, que estão associados diabetes. Um estudo de pesquisadores da Universidade de Tsukuba, Japão, descobriu que o consumo de chá de oolong ajuda na queima de gordura. O estudo durou 14 dias e envolveu 12 homens que não eram obesos e que fizeram do chá de oolong, cafeína ou um placebo no café da manhã e almoço.

No dia 14, dados foram colhidos por 24 horas. Como resultado, a cafeína ou chá de oolong trouxe melhoras para queima de gordura em cerca de 20% sem qualquer efeito colateral, ou gasto energético. Em outra revisão, os pesquisadores identificaram um aumento na atividade da insulina de no mínimo 15 vezes em ensaios laboratoriais de células adiposas realizados com chá-preto, verde e oolong. O chá de oolong também demonstrou efeitos positivos na redução da glicose plasmática, podendo ser um tratamento eficaz contra o diabetes tipo 2.

Os participantes de um estudo publicado no Journal of Nutrition em 2001 que ingeriram chá de oolong diluído e não diluído apresentaram uma queima de 2,9 a 3,4% maior de calorias diárias.

Alguns dos efeitos do chá contra a obesidade podem ser devidos aos seus efeitos benéficos no intestino, oferecendo suporte adicional contra a diabetes. Assim como o chá-verde, o preto também pode alterar os micróbios intestinais de uma forma que seja benéfica na prevenção de ganho de peso e obesidade. Conforme a Nutrientes:

“As crescentes evidências apontam que os polifenóis contidos no chá apresentam um efeito indireto sobre a obesidade, através da modulação da microbiota intestinal e, portanto, agindo como um suplemento prebiótico.

Diversos ensaios realizados em animais mostraram o significativo impacto dos extratos de chá (chá-verde, chá-preto, chá-verde fermentado, chá de oolong, entre outros) na melhoria da microbiota intestinal mais saudável, levando à uma redução do peso corporal nos ratos com alimentação rica em gordura.

O efeito benéfico foi resultado da indução do número de bactérias benéficas, que podem ajudar na regulação do metabolismo energético no corpo. O chá Pu-erh também mostrou um significativo impacto na perda de peso em ratos alimentados com uma alimentação rica em gordura, interferindo no acúmulo de gordura e na inflamação adiposa, modulando a microbiota.”

O chá fornece um tônico para a saúde de todo o corpo

O chá-preto, branco, verde, oolong e pu’erh vêm da planta Camelia sinensis e se diferem apenas na forma de preparo. No entanto, cada um oferece benefícios únicos, de modo que quando você consome chá, ele afeta todo o seu corpo, beneficiando o coração, o fígado e o cérebro, ajudando na densidade óssea e no controle do peso, além de apoiar a pressão arterial.

O Journal of Indian Society of Periodontology, observa que o chá-verde pode ser benéfico para diversas funções biológicas como:

Perda de peso — O EGCG previne a degradação da norepinefrina, provocando um aumento no metabolismo.

Anti-envelhecimento — Os antioxidantes do chá-verde protegem a pele dos efeitos dos radicais livres, responsáveis por rugas e envelhecimento da pele.

Imunidade — Os polifenóis e flavonóides encontrados no chá-verde ajudam a estimular o sistema imunológico.

Doença cardiovascular — O chá-verde ajuda contra doenças cardíacas e derrames.

Doença hepática — Homens que consomem mais de 10 xícaras de chá verde por dia, podem apresentar uma menor probabilidade de desenvolver distúrbios hepáticos.

Câncer — Foi demonstrado que o EGCG inibe a angiogênese das células tumorais, interrompendo a produção de compostos angiogênicos.

Artrite — O chá-verde ajudar contra o risco de artrite reumatóide.

Diabetes — O chá-verde melhora o metabolismo dos lipídios e da glicose, além de regular os níveis de açúcar no sangue e equilibrar a taxa metabólica.

Alzheimer — O EGCG diminui a produção de beta-amilóide, uma proteína responsável pela formação das placas no cérebro dos pacientes com Alzheimer.

Parkinson — Os antioxidantes do chá-verde ajudam na prevenção de Parkinson ao evitar danos na células do cérebro.

Gripes e resfriados — EGCG pode ajudar na eliminação de bactérias e vírus.

Asma — A teofilina do chá-verde relaxa os músculos que sustentam os brônquios, reduzindo o efeito da asma.

Estresse — A L-teanina (aminoácido do chá-verde) pode ajudar no alívio de estresse e ansiedade.

Intoxicação alimentar — A catequina no chá verde pode eliminar bactérias responsáveis por intoxicação alimentar e eliminam as toxinas produzidas por essas bactérias.

Vírus da imunodeficiência humana — O EGCG atua como um bloqueio à proteína de transporte do HIV na célula hospedeira.

Cáries dentárias — Os efeitos do extrato de chá-verde na inibição da cárie em hamsters e na resistência aos ácidos do esmalte dentário humano foram observados em estudos in vivo e in vitro.

Saúde periodontal — Os efeitos inibitórios da catequina contida no chá-verde sobre os patógenos periodontais podem fornecer a base para o efeito benéfico do chá verde na saúde periodontal.

Halitose — A principal causa da halitose é devido compostos voláteis de enxofre, como H2S e CH3SH, produzidos na cavidade oral. Foi demonstrado que os polifenóis do chá possuem efeitos antimicrobianos e desodorantes.

Por que o chá de folhas soltas pode ser a opção mais segura

Como os saquinhos podem ser feitos de polipropileno resistente ao calor para evitar que se quebrem na água quente, a escolha do chá de folhas soltas também é uma melhor opção quando comparada aos saquinhos de chá. Assim, pequenos pedaços de plástico podem acabar em sua bebida.

Os saquinhos de chá de papel são tratados com epicloridrina, que foi considerado um provável carcinógeno humano, este produto é um químico usado para prevenir lágrimas. Para formar 3-MCPD, outro possível carcinógeno humano, a epicloridrina reage com a água.

Um estudo descobriu ser 55,37 vezes maior nas pessoas que utilizavam chás ensacados do que os que utilizavam chás a granel, a ingestão diária de epicloridrina pelos consumidores de chá. Uma escolha mais saudável pode ser o chá de folhas solta, embora enxaguar os saquinhos de chá e não deixá-los em infusão por mais de 2 minutos possa diminuir parte da exposição.