📝RESUMO DA MATÉRIA

  • A Dra. Naomi Wolf fez um alerta sobre um aditivo alimentar – fosfato de alumínio e sódio – que contém uma neurotoxina conhecida e demonstrou ser capaz de causar danos reprodutivos em mamíferos após a ingestão.
  • A exposição ao fosfato de alumínio e sódio através de alimentos tem uma biodisponibilidade de alumínio maior do que a água potável. Existem múltiplas vias de exposição ao alumínio, o que aumenta o risco de toxicidade.
  • A toxicidade do alumínio pode causar doença de Crohn, doença inflamatória intestinal, autismo, osteomalácia, oligospermia, câncer de , pancreatite, diabetes tipo 2 e infertilidade. Amostras de câncer de cólon positivas para alumínio tiveram uma diminuição significativa na apoptose e um aumento na expressão da molécula anti-apoptótica BCL-2.
  • O alumínio não é o único produto químico que está causando problemas na fertilidade masculina. Outras exposições ambientais associadas à diminuição da contagem de espermatozoides incluem ftalatos e campos eletromagnéticos (CEM).
  • Seguir passos simples para reduzir a sua exposição aos danos causados ​​pelo alumínio, ftalatos e CEM pode ter um grande impacto na sua saúde e bem-estar.

🩺Por Dr. Mercola

Em 7 de março de 2024, a Dra. Naomi Wolf fez um alerta sobre um aditivo alimentar que contém uma neurotoxina conhecida e demonstrou ser capaz de causar danos reprodutivos em mamíferos após ser ingerido. Ela encontrou o aditivo em uma caixa de mistura para panquecas em sua despensa, o que a levou a investigar dados de pesquisas.

O que ela encontrou foram evidências científicas que não foram bem divulgadas na grande mídia, incluindo um ingrediente comum de ser encontrado em alimentos industrializados, além de produtos assados e queijos processados. O ingrediente é o fosfato de alumínio e sódio, que a indústria alimentícia afirma usar como agente emulsificante e estabilizante.

A Innophos fabrica o produto e a ficha de dados de segurança afirma: “O produto atende à definição de substância ou preparação perigosa”. Em riscos à saúde, ela lista danos aos olhos e irritação à pele e ao sistema respirató. Quem trabalha com o produto deve evitar respirar qualquer poeira, e ele deve ser armazenado em um recipiente bem fechado.

Wolf destaca que este ingrediente é encontrado em muitos dos produtos alimentícios que as nossas crianças comem, e o resultado dessa exposição pode ter levado a um estresse oxidativo a longo prazo, danos no DNA e um impacto negativo nos níveis de no sangue e na produção de esperma.

Aditivo alimentar pode desencadear estresse oxidativo e danos ao DNA

Wolf citou um artigo de revisão de literatura revisado por pares, que resumiu detalhes, incluindo biodisponibilidade e tempo de absorção para a via de exposição. Como observou o autor do artigo, não foram realizados estudos humanos controlados utilizando essa neurotoxina conhecida, então a revisão da literatura foi limitada a estudos em animais de laboratório.

Além disso, o artigo revisou a exposição intencional e não intencional ao alumínio na dieta dos animais, uma vez que havia um conteúdo considerável e variável de alumínio nas dietas animais, o que cria incerteza sobre como o sistema reprodutivo dos mamíferos funcionaria na ausência de alumínio.

Ele descobriu que, em estudos experimentais, os machos experimentaram um efeito mais significativo do alumínio em níveis mais baixos do que as mulheres. O autor propôs um caminho de resultado adverso que incluía “estresse oxidativo como evento inicial molecular e aumento do malondialdeído, dano ao DNA e espermatozóides e diminuição da testosterona no sangue e contagem de espermatozoides como eventos chave subsequentes”.

Estudos anteriores avaliaram a biodisponibilidade do alumínio na água potável, mas até 2008, havia poucas evidências da biodisponibilidade do alumínio no consumo de fosfato de alumínio e sódio usado como agente emulsificante em alimentos. Utilizando um estudo em animais, os pesquisadores descobriram que tanto a água como os alimentos contribuem para a ingestão típica e os resultados sugeriram que a ingestão de alumínio através dos alimentos contribuiu muito mais para a circulação sistêmica do que a água potável.

De acordo com a Universidade Estadual de Michigan, a Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos revisou a segurança do fosfato de alumínio e sódio em 2018 e determinou que era “seguro para consumir em quantidades normais”. “O Painel concluiu que… o fosfato de alumínio e sódio, ácido (E 541) não representam preocupação de segurança nos usos e níveis de utilização atualmente autorizados”.

A Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos definiu a quantidade típica, o nível de uso autorizado ou o nível máximo permitido (MPL) como 400 miligramas por quilograma (mg/kg) de fosfato de alumínio e sódio. Embora isso possa parecer muito, uma avaliação de 2005 de alimentos selecionados descobriu que o nível de fosfato de alumínio e sódio poderia variar de 1 a 27.000 mg/kg. A pizza congelada tinha até 14 mg/kg, e pacotes individuais de creme não lácteo tinham até 600 mg/kg.

Os pesquisadores encontraram fosfato de alumínio e sódio ácido presente em muitos produtos alimentícios, incluindo panquecas, waffles, bicarbonato de sódio e produtos congelados. Muitos continham quantidades significativas. Com o número de alimentos que contêm este agente e a quantidade consumida por dia, muitos são expostos a muito mais de 400 mg/kg de várias fontes e, mais importante, à bioacumulação de alumínio no corpo.

Alumínio associado a vários problemas nos sistemas do corpo

Como observa Wolf, não existem bons estudos humanos revisados ​​por pares, pois quando estudos em animais mostram que a alimentação com alumínio danifica fetos, placentas, testículos, testosterona no sangue e espermatozóides, é antiético realizar testes em humanos. Esse dilema protege a indústria farmacêutica, uma vez que eles podem concluir que não existem estudos humanos suficientes que demonstrem os danos e apoiem a retirada do produto do mercado.

Wolf escreve que os efeitos do alumínio se alinharam com a diminuição observada da morfologia masculina, incluindo um maxilar quadrado, massa muscular e libido em homens nascidos depois de 2000. Ela sugere que a exposição ao alumínio também pode ajudar a explicar o aumento das taxas de depressão, ganho de peso e desinteresse sexual entre homens jovens, o que têm alta correlação com níveis mais baixos de testosterona que, por sua vez, estão associados à exposição ao alumínio.

Durante anos tenho alertado que o alumínio é um perigo neurotóxico grave, com grandes chances de estar envolvido nas taxas crescentes de autismo e Alzheimer. Um estudo de 2020 publicado no Journal of Alzheimer’s Disease estabeleceu uma grande relação entre a exposição ao alumínio e o Alzheimer após examinar o tecido cerebral de indivíduos diagnosticados com Alzheimer familiar e que tinham uma mutação genética específica que era conhecida por aumentar os níveis de beta-amilóide, levando a um início precoce e mais agressivo da doença.

Os níveis de alumínio foram comparados no tecido do doador com aqueles sem diagnóstico de doença neurológica e os pesquisadores encontraram diferenças marcantes entre os dois grupos. Todos os doadores com a mutação genética apresentaram um alto teor de alumínio. Todas as amostras tinham algum nível de alumínio, mas 42% das amostras daqueles com Alzheimer familiar tinham níveis patologicamente significativos e o alumínio estava sobretudo co-localizado com placas beta-amilóides.

À medida que o alumínio atinge a circulação sistêmica, ele é distribuído para órgãos-alvo como o sistema nervoso, o sistema esquelético e o sistema hematopoiético. Além disso, os pesquisadores associaram a bioacumulação de alumínio a vários tipos de câncer, incluindo câncer de mama e câncer colorretal, onde ele tem sido associado a uma alta taxa de mutações.

A análise de amostras de câncer de cólon mostrou que as amostras positivas para alumínio tiveram uma diminuição significativa na apoptose e um aumento na expressão da molécula anti-apoptótica BCL-2.

Bioacumulação de alumínio a partir de diversas fontes

Os cientistas reconhecem que o alumínio pode ser espalhado pela inalação de aerossóis ou partículas, através do abastecimento de alimentos e água, em medicamentos, diálises e infusões. Militares de todo o mundo também dispersam de forma rotineira pequenos pedaços de fibra de e plástico revestidos de alumínio chamado de “chaff” na coluna de ar para proteger aeronaves e navios do radar inimigo. Embora isso seja feito há décadas, não há evidências claras de que seja seguro para os seres humanos ou para o meio ambiente.

As diversas vias de exposição aumentam o risco de possíveis níveis tóxicos, o que induz uma variedade de efeitos no corpo, incluindo alterações do sistema imunológico, genotoxicidade, inflamação, disfunção enzimática, distúrbio metabólico, necrose e displasia. As condições associadas a altos níveis de alumínio incluem doença de Crohn, autismo, osteomalácia, oligospermia, câncer de mama, pancreatite, diabetes tipo 2 e infertilidade.

A exposição ao alumínio pode ocorrer de várias maneiras, mas eu tenho alertado que uma fonte significativa de exposição ao alumínio, e talvez uma das piores, são as vacinas, uma vez que a injeção do produto contorna os sistemas naturais de filtragem e desintoxicação do corpo.

E, como muitas das vacinas que utilizam alumínio como adjuvante são administradas na infância, o dano potencial leva décadas para se desenvolver e apresentar sintomas clínicos. De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, um adjuvante é adicionado às vacinas para desencadear uma resposta imunológica mais forte em um indivíduo.

Christopher Exley, Ph.D., foi o principal pesquisador do estudo que liga o alumínio à doença de Alzheimer. Em uma entrevista ao SciTechDaily, Exley comentou:

“Isso mostra uma estreita ligação entre o alumínio e a beta-amiloide na neuropatologia. De qualquer forma, novas pesquisas confirmam a minha conclusão de que, durante o tempo de vida normal dos seres humanos, não haveria qualquer doença de Alzheimer se não houvesse alumínio no tecido cerebral. Sem alumínio, sem DA”.

Em seu vídeo, Wolf menciona que o alumínio está presente nas vacinas de mRNA. Ao falar com o The Defender, Exley elogiou os esforços dela para levar notícias dos efeitos tóxicos a um público mais amplo, mas disse que o alumínio não foi utilizado nas vacinas de MRNA como adjuvante.

Embora não haja provas atuais de que a vacina de mRNA para COVID contenha alumínio, a Agência Europeia de Medicamentos aprovou o uso de outras vacinas contra COVID que usam vírus completos e um adjuvante duplo de hidróxido de alumínio-CpG 1018. As vacinas contra COVID-19 também são aprovadas em outros países que contêm adjuvantes de alumínio.

A lista de vacinas aprovadas que contêm alguma forma de alumínio totaliza mais de 25 e inclui aquelas administradas a crianças, como a vacina contra difteria, tétano e coqueluche acelular, hepatite B e Haemophilus influenzae tipo B. Outras vacinas que utilizam alumínio incluem tétano, pneumococo, meningocócica tipo B, hepatite B, difteria e tétano.

Wolf classifica o alumínio como guerra química

Wolf compara a queda dos níveis de testosterona, a diminuição da contagem de espermatozoides e as mudanças na morfologia masculina à guerra química contra os homens, dizendo: “… uma coisa que você deve fazer antes de iniciar uma invasão formal a um país inimigo é enfraquecer os homens”, acrescentando que essa guerra tem como alvo “os nossos homens mais vulneráveis, nossos rapazes pré-adolescentes – nos refeitórios das nossas escolas”.

O alumínio não é o único produto químico que prejudica a fertilidade masculina. Como já relatei antes, a síndrome dos ftalatos também é responsável pela esterilidade em massa, pois os pesquisadores registraram uma queda na contagem de espermatozóides em 59,3% entre 1973 e 2011, sendo uma grande parte devido à exposição a produtos químicos como ftalatos presentes no plástico.

Shanna Swan, Ph.D. é epidemiologista reprodutiva e professora de medicina ambiental e saúde pública na Icahn School of Medicine em Mount Sinai, na cidade de . Seu livro “Countdown” é baseado em um estudo de 2017 que ela co-escreveu, onde foi descoberto que as quedas mais significativas nas amostras de espermatozoides ocorreram em homens que viviam na América do Norte, Europa, Austrália e Nova Zelândia.

As concentrações ficaram abaixo de 40 milhões por mililitro, que é considerado um limiar no qual um homem já começa a apresentar dificuldades para fertilizar um óvulo. Ela também descobriu que, à medida que a contagem de espermatozoides, a testosterona e a fertilidade diminuíam, o câncer testicular e o aborto espontâneo aumentavam, todos em cerca de 1% ao .

Mais um fator ambiental que pode desempenhar um papel significativo na diminuição da contagem de espermatozoides são as exposições ao campo electromagnético (CEM) e à radiação de radiofrequência das tecnologias sem fio. Pesquisa descobriram que os homens que usam seus celulares mais de 20 vezes por dia têm concentrações e contagens de espermatozoides bem mais baixas do que aqueles que os usam uma vez por semana ou menos.

Isso coloca os homens em um risco aumentado de 30% de ter uma concentração de espermatozoides abaixo do valor de referência para a fertilidade e um risco aumentado de 21% de ter uma contagem total de espermatozoides abaixo da faixa fértil.

Dicas para reduzir a exposição ao alumínio, plástico e CEM

Wolf termina seu vídeo com um apelo simples: “Amigos, leiam os rótulos; limpem seus armários; assem do zero; e salvem os níveis hormonais dos nossos homens”. Embora possa ser desafiador fazer mudanças, fazer uma nova pequena mudança a cada duas semanas pode diminuir o estresse associado à mudança e pode ter um impacto significativo na sua saúde geral em questão de meses.

Por fim, também existem medidas que você pode tomar para reduzir a sua exposição aos campos eletromagnéticos durante o dia e à noite e medidas gerais que você pode tomar na sua casa. À medida que mais pessoas trabalham de forma remota, você começa a ter maior controle sobre o seu ambiente, incluindo a sua exposição aos CEM.