Grupo do Whatsapp Cuiabá
Política

Novo presidente da Frente Evangélica critica STF por interferir no Legislativo: entenda as razões por trás desta polêmica

2024 word2
CRM Com Automação Canal Mídia

O presidente da, Eli Borges (PL-TO),disse que o precisa “xeretar” menos as ações do . A declaração foi feita em resposta a interpelações, sobre a união homoafetiva.

“Temos que entender que a união estável já é pacificada pelo STF que, aliás, precisa xeretar um pouco menos o Poder Legislativo brasileiro”, declarou o parlamentar, em entrevista ao site Metrópoles. “Com todo respeito aos ministros, sobretudo alguns deles.”

Borges acrescentou ainda que não concorda com a união homoafetiva. Para ele, o casamento entre pessoas do mesmo sexo “está fora da Constituição”.

“Eles querem o altar e querem casar”, observou. “Bom, e ninguém está proibindo eles de fazerem o que quiseram. Agora, é só respeitar o que está escrito na Constituição Federal.”

Em 2023, foi aprovado na de Previdência, Assistência Social, Infância, Adolescência e Família da Câmara dos Deputados um projeto que proíbe o casamento entre pessoas do mesmo sexo. A proposta agora será analisada nas comissões de Direitos Humanos e de Constituição e Justiça.

O deputado federal Eli Borges assumiu, na quarta-feira 7, a liderança da Frente Parlamentar Evangélica da . Aliado do ex-presidente Jair Bolsonaro, Borges substituirá Silas Câmara (Republicanos-AM).

STF armas
Stf Reconheceu Em 2011 A União Estável Entre Casais Do Mesmo Sexo | Foto: Reprodução

Em 2011, o reconheceu a união estável entre casais do mesmo sexo como entidade familiar. Em 2013, o Conselho Nacional de Justiça (CNJ), aprovou a Resolução n.º 175/2013, conferindo a decisão do STF e impedindo que cartórios de todo pais se recusassem a converter uniões estáveis entre pessoas do mesmo sexo em casamentos.

Fonte: revistaoeste

Sobre o autor

Avatar de Redação

Redação

Estamos empenhados em estabelecer uma comunidade ativa e solidária que possa impulsionar mudanças positivas na sociedade.