Grupo do Whatsapp Cuiabá
Política

Governador do ES veta projeto de lei contra invasão de terras: entenda os detalhes da decisão

2024 word2
CRM Com Automação Canal Mídia

O governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), vetou o Projeto de Lei (PL) 166/2023, que pune invasores de propriedades privadas no Estado. Aprovada em abril pela , a proposta tinha o objetivo de barrar as ações do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST).

De autoria do deputado Lucas Polese (PL), o projeto listava punições para invasores de propriedades rurais e urbanas particulares do Espírito Santo. A lei pretendia penalizar “todo aquele que invade propriedades (…), com violência à pessoa ou grave ameaça, ou mediante concurso de mais de duas pessoas, para o fim de esbulho possessório”.

A Procuradoria-Geral do Estado (PGE) manifestou-se pelo veto total por entender que, “sob o prisma jurídico constitucional, o autógrafo de lei incorre em diversos vícios de inconstitucionalidade de cunho material e formal”.

A PGR reconheceu de que “não há dúvidas de que o direito à propriedade é tutelado pela ordem constitucional e de que o Estado pode, e deve, promover medidas que assegurem a sua defesa”.  Contudo, em documento direcionado ao presidente da Ales, Marcelo Santos, o órgão afirma que “o Estado do Espírito Santo pode editar leis que visam à tutela dos direitos ligados à propriedade”.

“Ocorre que a forma pela qual o autógrafo busca criar a política aqui analisada acaba violando outras normas constitucionais não ligadas diretamente ao direito de propriedade”, analisou a PGR.

  • realizar cadastro para recebimento de auxílios, benefícios e programas sociais do governo estadual;
  • participar de concursos públicos estaduais;
  • contratar com o poder público estadual, ou seja, participar de licitações; e
  • ser nomeado para cargos públicos comissionados.

“Caso o invasor seja beneficiário de auxílios, benefícios e programas sociais do governo estadual, tenha contratos com o poder público estadual, tenha cargo público efetivo ou comissionado, será desvinculado compulsoriamente, respeitados o contraditório e a ampla defesa”, determina o projeto de lei.

Porém, no entendimento da procuradoria do Estado, “sob o prisma jurídico constitucional, o autógrafo de lei trazido à análise incorre em diversos vícios de inconstitucionalidade de cunho material e formal”.

“Como se percebe, trata-se da de um ilícito administrativo excessivamente aberto, que viola o princípio da reserva legal ao não dispor, minimamente, sobre o núcleo da infração, relegando apenas à autoridade administrativa definir, caso a caso, o que configuraria uma ‘contribuição indireta’ ao cometimento do ato ilícito”, avaliou a PGR.

Em documento, o órgão usa uma alegação da Secretaria de Estado de Direitos Humanos, que “corrobora com o entendimento da PGE quando diz que a inconstitucionalidade do PL ocorre porque sua redação não especifica quem serão considerados ‘ocupantes ou invasores’ de propriedades rurais”. 

MST
Estado Acredita Que É Responsabilidade Do Proprietário Das Terras Cuidar Do Seu Bem | Foto: Reprodução/Redes Sociais

O governo do Estado do Espírito Santo afirma que o PL também traz preocupações relacionadas aos direitos básicos de pessoas que participam de “movimentos sociais organizados” que discutem os “direitos de acesso à terra e à habitação”. 

“A luta dos movimentos sociais pelo direito à terra e à moradia possui respaldo pela Constituição ”, argumenta. “Diante do exposto, a Secretaria de Estado de Direitos Humanos se manifesta contrária a iniciativa legislativa do deputado estadual Lucas Polese, tendo em vista a inconstitucionalidade do texto e por entendermos que sua implementação é capaz de impossibilitar o acesso à tutela do estado para garantia do mínimo necessário para existência, o que descumpre o princípio da dignidade da pessoa humana.”

O governo estadual também afirma que “é responsabilidade de cada detentor de bem imóvel pela manutenção das suas condições de regularidade, inclusive relacionadas à guarda e à preservação de seus limites”. 

Fonte: revistaoeste

Sobre o autor

Avatar de Redação

Redação

Estamos empenhados em estabelecer uma comunidade ativa e solidária que possa impulsionar mudanças positivas na sociedade.