Grupo do Whatsapp Cuiabá
Política

Conflitos entre Polícia Federal e Exército, Abin e MP do RJ durante governo Lula

2024 word2
CRM Com Automação Canal Mídia

Nos primeiros 15 meses do terceiro governo de Luiz Inácio Lula da Silva, a Polícia Federal (PF) se desentendeu com instituições importantes da política brasileira. O Exército, a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), a Agência Brasileira de (Abin), o Ministério Público (MP) e a Polícia Civil do Rio de Janeiro estão na lista.

De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, os motivos dos atritos são diversos: investigações de outros órgãos, tentativa de ampliar poderes e disputa por espaço próximo ao presidente da República. Os desgastes podem atrapalhar algumas operações, uma vez que a Polícia Federal trabalha em parceria com essas instituições.

Com o GSI e os militares, por exemplo, os atritos surgiram pela briga para decidir quem seria responsável por fazer a segurança pessoal de Lula e da primeira-dama, Janja.

Andrei Augusto Passos Rodrigues, diretor-geral da Polícia Federal, nomeado por Flávio Dino em janeiro de 2023 | Foto: Jose Cruz/Agência Brasil
Andrei Augusto Passos Rodrigues, Diretor-Geral Da Polícia Federal, Nomeado Por Flávio Dino Em Janeiro De 2023 | Foto: Jose Cruz/Agência Brasil

No início do governo, o petista assinou um decreto com validade de seis meses para criar a Secretaria Extraordinária de Segurança Imediata do Presidente da República, que passou para a PF a incumbência de parte da proteção presidencial. Embora o período fosse de apenas seis meses, a cúpula da polícia tentou estender a medida.

A influência do delegado da Polícia Federal Andrei Rodrigues não foi suficiente, e a coordenação da proteção de Lula voltou para o GSI, comandada pelo general Marcos Antonio Amaro.

Em relação à Abin, os conflitos com a Polícia Federal já custaram até a demissão do número 2 da agência, o ex-diretor Alessandro Moretti, em janeiro. .

De acordo com o documento, em uma reunião com representantes de servidores da Abin, em março de 2023, Moretti teria dito que a investigação sobre a agência tinha “fundo político” e iria .

Alessandro Moretti
Lula exonerou Alessandro Moretti, então diretor-adjunto da Abin | Foto: Pedro França/Agência

Na avaliação da PF, houve “conluio de parte dos investigados” com parte da alta gestão da Abin, o que prejudicaria a investigação e a própria agência.

Em relação à Polícia Rodoviária Federal (PRF), a PF indiciou 23 policiais rodoviários por uma operação conjunta em Varginha (MG), que resultou na morte de 26 criminosos. Ambas as corporações estão sob o comando do Ministério da Justiça.

Conforme o documento da PF, o delegado do caso afirmou que o órgão não tem poder para tocar apurações e fez críticas à atuação dos integrantes da PRF nesse episódio. Em resposta, a Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais acusou a PF de abandonar a população.

.

Com relação à Polícia Civil do Rio de Janeiro, o relatório da PF mostrou que o ministro Flávio Dino, do Supremo Tribunal Federal (STF), definiu a polícia um “ecossistema criminoso”.

Além disso, delegados da Polícia Civil se queixavam do excesso de agentes federais na estrutura da Secretaria de Segurança na gestão José Mariano Beltrame (2007-2016). O atual titular da pasta, Victor Cesar Carvalho dos Santos, também é delegado federal.

O relacionamento entre a Polícia Federal e o Ministério Público ficou próximo, inclusive, no avanço de investigações. Além da apuração da morte da vereadora Marielle Franco (PSOL), a PF e o MP-RJ atuaram lado a lado em inquéritos contra Luis Antônio da Silva Braga, o Zinho, apontado como líder da maior milícia do Estado.

Contudo, na semana passada, o relatório da PF sobre o caso de Marielle Franco contém críticas ao MP. .

Em resposta, o MP-RJ divulgou uma , na quinta-feira 28, afirmando que “não medirá esforços para enfrentar as vis tentativas de desqualificar o trabalho executado”, sem citar diretamente a PF.

Fonte: revistaoeste

Sobre o autor

Avatar de Redação

Redação

Estamos empenhados em estabelecer uma comunidade ativa e solidária que possa impulsionar mudanças positivas na sociedade.