Grupo do Whatsapp Cuiabá
Mundo

Refém do Hamas revela ameaça de morte por terroristas durante cativeiro

2024 word2

Andrey Kozlov, que foi libertado do cativeiro do em 8 de junho por militares das (FDI), disse que os terroristas o convenceram de que eles o matariam no cativeiro.

Kozlov tem 27 anos e concedeu uma série de entrevistas à mídia hebraica. Ele foi um dos 251 reféns sequestrados por terroristas do Hamas durante o ataque a em 7 de outubro de 2023, que matou 1,2 mil pessoas, principalmente civis.

Kozlov foi resgatado junto com Almog Meir Jan, de 21 anos, e Shlomi Ziv, de 40 anos. Eles estavam em um campo de refugiados em Nuseirat, no centro da . Todos os três foram sequestrados em 7 de outubro no festival de ao ar livre Nova, onde terroristas massacraram mais de 360 pessoas.

Outra refém israelense, Noa Argamani, de 26 anos, foi resgatada de um prédio próximo durante a mesma operação. Kozlov, que se mudou da Rússia para cerca de 18 meses antes de 7 de outubro, concedeu as entrevistas em inglês.

“Em alguns momentos, eu tinha certeza de que eles nos levaram para matar, para assassinar e filmar esse processo”, disse ao Channel 12, que divulgou uma prévia de uma entrevista que será exibida na íntegra na sexta-feira 12.

Kozlov lembrou de um homem com barba e sem bigode que apareceu um dia e removeu a venda que ele era forçado a usar. Kozlov foi informado de que seria filmado no dia seguinte em um vídeo de propaganda e depois morto por seu captor.

Ao Channel 13, o ex-refém disse que o medo de ser morto pesava constantemente sobre ele. Seus captores sempre portavam uma grande faca, e ele frequentemente estava amarrado.

“Talvez em um minuto, talvez em uma hora, talvez em um dia, talvez em uma semana, você pode morrer”, disse Kozlov, lembrando que tinha “muitos sentimentos terríveis e repugnantes todos os dias”.

Refém do Hamas desenvolveu bloqueio emocional

Kozlov disse que seu tempo no cativeiro foi tão emocionalmente desgastante que agora tem dificuldade em sentir qualquer coisa desde seu resgate. “Minha fonte de sentimentos está vazia”, relatou. “Agora, eu entendo tudo na minha mente, mas muitas coisas eu não sinto no meu coração.”

Em uma entrevista ao jornal Yedioth Ahronoth, ele disse que seus captores do Hamas constantemente diziam a ele e aos outros reféns que o governo israelense queria que eles morressem e que seriam se as Forças de Defesa de Israel tentassem resgatá-los.

Kozlov também afirmou que, enquanto estava em cativeiro, continuava lembrando a si mesmo que o mais importante era voltar vivo para seus pais e sua família. “Eu me dizia o tempo todo: ‘Vivo, bem e saudável’”, lembrou.

O ex-refém descreveu o momento em que seus resgatadores permitiram que ele falasse diretamente com seus pais pela primeira vez.

“Quando me perguntaram se eu queria falar por telefone com mamãe e papai, aquele foi o meu limite”, disse. “Eu chorei para ela: ‘Mamãe! Fui salvo duas vezes da morte’”, referindo-se ao massacre no festival Nova e aos oito meses em cativeiro.

Andrey Kozlov relatou abuso psicológico à família

Andrey Kozlov se encontrou com sua família um dia depois do resgate | Foto: Divulgação/Hostage and Missing Families Forum
Andrey Kozlov Se Encontrou Com Sua Família Um Dia Depois Do Resgate | Foto: Divulgação/Hostage And Missing Families Forum

Os pais de Kozlov já haviam falado à mídia sobre o tormento que seu filho vivenciou no cativeiro, reforçando os relatos sobre o abuso psicológico sofrido pelos reféns.

“Andrey nos disse: ‘Há algumas coisas que nunca contarei a vocês’”, relatou sua mãe, Evgeniia Kozlova, no mês passado. “Eu não sei o que ele não nos contou e o que ele não quer nos contar.”

Os reféns recebiam regras estritas sobre como se comportar e eram punidos se violassem qualquer uma delas.

Ela disse que os guardas frequentemente abusavam verbalmente dos prisioneiros. “Eles gostavam de dizer: ‘Você é um animal, você é um burro, você é um tolo, você é sujo’”, relatou Evgeniia. “Andrey agora conhece essas palavras perfeitamente em árabe — tudo sobre palavrões em árabe ele aprendeu bem.”

Ao The New York Times, Kozlova disse que os captores disseram a Andrey que ela estava de férias na Grécia, e que ela “não sabia dele e nem queria saber”. Os terroristas também o persuadiram e os outros reféns de que suas namoradas estavam se relacionando com outros homens.

O pai, Mikhail, disse à emissora pública Kan que Andrey descreveu um guarda como particularmente cruel e mentalmente perturbado, abusando dele em um dia e no dia seguinte dizendo: “Eu te amo”.

“Isso foi um terror psicológico destinado a fazer com que os reféns se sentissem o mais desconfortável possível, eles [os terroristas] queriam quebrá-los mentalmente”, disse Mikhail.

A guerra de Israel contra o Hamas

Israel respondeu ao ataque do Hamas com uma ofensiva militar em Gaza para destruir o grupo terrorista, derrubar seu regime e libertar os reféns.

Acredita-se que 116 reféns sequestrados pelo Hamas em 7 de outubro de 2023 ainda estejam em Gaza — embora as FDI tenham confirmado a morte de 42 deles. Cerca de 105 civis foram libertados do cativeiro do Hamas durante uma trégua de uma semana no final de novembro, e quatro reféns foram libertados antes disso.

Sete reféns foram resgatados vivos pelas tropas, e os corpos de 19 reféns também foram recuperados, incluindo três mortos por engano pelos militares. Mais uma pessoa está listada como desaparecida desde 7 de outubro, e seu destino ainda é desconhecido.

O Hamas também está mantendo dois civis israelenses que entraram na Faixa de Gaza em 2014 e 2015, bem como os corpos de dois soldados das FDI que foram mortos em 2014.

Fonte: revistaoeste

Sobre o autor

Avatar de Redação

Redação

Estamos empenhados em estabelecer uma comunidade ativa e solidária que possa impulsionar mudanças positivas na sociedade.