Grupo do Whatsapp Cuiabá
Educação

A importância de ter um melhor amigo na infância: como essa relação impacta no desenvolvimento das crianças

2024 word1
CRM Com Automação Canal Mídia

Ter um amigo é de fato uma experiência única. Por isso, na infância, os podem ser perguntar se, caso não tenha um, o seu filho esteja perdendo algo com isso ou se, tendo, o círculo social fique limitado. Mas qual, afinal, a importância de uma relação como essa? Um artigo de Sarah Vanbuskirk, autora com experiência em família e relacionamentos, lança algumas luzes a respeito.

Siga o Sempre Dia de Ajudar no Instagram!

Uma amizade
assim pode se dar entre crianças com personalidades parecidas ou não e pode
durar poucos meses ou vários anos; o fato é que, segundo pesquisas da área, a
experiência de ter um melhor amigo “fornece uma abertura social consistente,
ajuda a desenvolver habilidades sociais e oferece uma fonte de apoio
reconhecida e apreciada pelas crianças”, aponta Sarah.

A
importância da amizade

“Amizades são responsáveis por uma parte enorme do nosso ao longo da ”, afirma a psicóloga Renata Klabacha. Na infância, elas são uma oportunidade de ter companhia e apoio, bem como de explorar a própria identidade para além dos limites da unidade familiar. É ali que elas têm a experiência de uma relação em pé de .

Ter amigos é um fator importante para uma autoestima saudável e para desenvolver habilidades de lealdade, resolução de conflitos, das emoções e solução de problemas. Nesse sentido, é importante destacar que estudos apontam que a ência emocional é um indicador maior de sucesso na vida adulta do que o quociente intelectual – e mostram também que ter um bom amigo na infância está ligado a bons indicadores de saúde mental na vida adulta.

E o melhor
amigo?

“Tanto
amigos normais quanto melhores amigos são importantes e podem contribuir em
várias necessidades da criança”, diz Sarah. “Mesmo ter um ou dois amigos –
ainda que não sejam ‘melhores’ amigos – oferece benefícios significativos para
o seu desenvolvimento emocional e social”.

Amigos
próximos são importantes para compartilhar emoções e ter um sentimento de
pertencimento, mas é igualmente importante conviver com crianças com outras
idades, interesses e panos de fundo culturais. “Isso permite desenvolver
habilidades de trabalho em grupo e de empatia”, afirma Renata.

O papel dos
pais

Sabendo
responder a essa necessidade, os pais não precisam temer a experiência de a
criança ter um melhor amigo. É necessário também estar atento ao possível
momento em que essa amizade chegar ao fim. “A criança pode se sentir para
baixo, triste, sozinha, traída ou rejeitada”, aponta a psicóloga. “Nesses
, não imponha à criança seus pensamentos, sentimentos ou juízos sobre o
amigo, mas ouça ela mesma falar de suas ”.

Os pais devem também, nesses casos, ajudar a criança a seguir em frente, encontrando outros amigos. É esse, afinal, o seu papel nesses casos: oferecer oportunidades de fazer amigos, e não muito além disso. Mas não há razão para que os pais tentem viabilizar uma relação de melhores amigos: o importante é que a criança tenha a experiência da amizade em si mesma, que simplesmente não pode ser forçada.

Fonte: semprefamilia.com.br

Sobre o autor

Avatar de Fábio Neves

Fábio Neves

Jornalista DRT 0003133/MT - O universo de cada um, se resume no tamanho do seu saber. Vamos ser a mudança que, queremos ver no Mundo