Grupo do Whatsapp Cuiabá
Ciência & Saúde

Mau Hálito na Terceira Idade: Como Medicamentos podem ser a Causa – Descubra por quê

2024 word2
CRM Com Automação Canal Mídia

O mau hálito ou halitose, pode alterar o padrão de comportamento das pessoas em relação à sua vida social, familiar e profissional, levando a apresentar tendência ao isolamento. Nós tratamos disso recentemente nesta matéria. E na terceira idade, a situação não é diferente. Ela causa o mesmo desconforto e , e ainda requer atenção especial, principalmente por conta do uso de próteses dentárias e medicamentos.

Siga o Sempre Dia de Ajudar no Instagram!

“Na terceira idade, temos alguns fatores agravantes como o uso de medicamentos que podem dar como efeito colateral uma diminuição da produção salivar, gerando a boca ou xerostomia. Consequentemente, temos uma maior descamação da mucosa interna da boca e isso acaba gerando mais halitose”, explica Cláudia Gobor, cirurgiã dentista especialista no tratamento da halitose, e atual diretora executiva da Associação Brasileira de Halitose.

Por esse motivo, Cláudia conta que se faz necessária uma correta hidratação diária e, muitas vezes, até estimular a saliva corretamente para amenizar esses fatores que podem alterar o hálito. Manter uma ingestão diária de líquidos adequada, alimentar-se saudavelmente, cuidar da saúde bucal especialmente em relação à gengiva, próteses e restaurações, além de avaliar com o o uso de medicamentos xerostômicos e visitar regularmente um cirurgião dentista.

O empresário João Daniel da Silva, de 73 anos, reflete sobre os maiores problemas do mau hálito. “Sofri muito com uso de medicamentos que provocavam a halitose e, quando eu era jovem, descuidava muito da saúde bucal”, lembra ele. “Quando a gente fica mais velho, parece que o problema vem com tudo. E não adianta tentar disfarçar com balas e gengibre, só consegui resolver de vez quando fui ao cirurgião dentista e fiz uma avaliação. Agora, quando estou em uma roda e vejo que estão falando de mau hálito, eu fico tranquilo, pois sei que não sou eu”, comemora.

Tratamento

O tratamento adequado depende da avaliação do padrão salivar, análise medicamentosa e análise da higiene bucal do paciente. Cláudia ressalta que não é indicado usar produtos sem prescrição, como enxaguantes bucais ou remédios caseiros fornecidos no espaço virtual. “A indicação é procurar ajuda”, alerta a especialista. Posteriormente aos exames, o diagnóstico é realizado e o tratamento é personalizado de acordo da necessidade de cada paciente.

Fonte: semprefamilia.com.br

Sobre o autor

Avatar de Fábio Neves

Fábio Neves

Jornalista DRT 0003133/MT - O universo de cada um, se resume no tamanho do seu saber. Vamos ser a mudança que, queremos ver no Mundo