Grupo do Whatsapp Cuiabá
Ciência & Saúde

Envelhecimento: a redução da massa muscular compromete sua mobilidade ao longo dos anos

2024 word3
CRM Com Automação Canal Mídia

Fraqueza muscular, perda de peso, caminhada lenta, dificuldade para realizar atividades do dia a dia como subir escadas e levantar-se da cadeira, além das muitas quedas são algumas das características comuns de serem percebidas ao passar dos anos. Porém, não devem ser aceitas pela pessoa com naturalidade e merecem uma especial atenção.

Siga o Sempre Dia de Ajudar no Instagram!

Doença progressiva
e generalizada da musculatura esquelética, a sarcopenia envolve uma acelerada
perda de massa, força e função muscular, define Marcelo Valente, especialista
em geriatria pela Santa Casa de São Paulo e pela Sociedade Brasileira de
Geriatria e Gerontologia (SBGG). Prevalente
com o aumento da faixa etária, o médico explica que a doença está relacionada a
diversos fatores, sejam nutricionais – com a diminuição da ingesta proteica,
hormonais – com a queda dos hormônios, sedentarismo, tabagismo, etilismo ou presença
de doenças crônicas.

Contudo, embora a perda de musculatura seja maior nesses indivíduos, também pode ocorrer em pessoas ativas e saudáveis. É o que explica a reumatologista Vanessa Hax, membro da Sociedade de Reumatologia do Rio Grande do Sul (SRRS) e reumatologista no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. “A partir dos 40 anos de idade começa a haver perda de cerca de 1-2% de massa muscular por ano, e é por isso que a atenção com os músculos deve aumentar com o avanço da idade”, alerta ela.

Além disso, Vanessa explica que com o envelhecimento, o sistema musculoesquelético começa a apresentar uma menor resposta das células às ofertas de nutrientes, principalmente de proteínas, tornando o processo de regeneração e formação muscular menos eficiente. E por conferir um maior risco de quedas e fraturas, a sarcopenia impacta diretamente na qualidade de vida dos idosos, inclusive aumentando o número de hospitalizações e mortes, determinando um risco importante de desenvolvimento de incapacidade e dependência.

Por isso, a reumatologista orienta os pacientes que, ao perceberem as pernas e braços mais finos e flácidos ou apresentarem dificuldades para realizar movimentos rotineiros, como agachar para pegar algo, subir escadas ou se levantar da cadeira, procurem um médico especialista para diagnóstico e tratamento.

Suspeita clínica e avaliação da força e muscular compõem o diagnóstico

A sarcopenia é uma doença cuja prevalência é bastante comum nos idosos. Segundo a SBGG, atinge de 5 a 13% das pessoas com idade entre 60 e 70 anos, enquanto alcança até 50% dos idosos com mais de 80. E, embora ocorra tanto em homens quanto em mulheres, acomete com maior frequência as pessoas do sexo feminino, principalmente após a menopausa, conta Vanessa.

Contudo,
embora desde 2016 tenha sido reconhecida como doença pela Organização Mundial
da Saúde (OMS) e seja facilmente encontrada na população, o diagnóstico é muito
difícil de ser localizado entre os prontuários médicos, seja pelo
desconhecimento do profissional não especializado ou pela baixa procura de
ajuda pelos pacientes.

O diagnóstico, segundo Vanessa, se fundamenta principalmente na suspeita clínica, acompanhada de avaliação complementar da força e da massa muscular. Por inexistirem, até o momento, marcadores ou exames laboratoriais para o diagnóstico da doença, “recomenda-se que a investigação de sarcopenia seja feita por meio da aplicação de um questionário validado (SARC-F), respondido pelo próprio paciente ou com auxílio do profissional de saúde, onde serão avaliadas atividades da vida cotidiana, como necessidade de auxílio para caminhar”, descreve a médica. “Conforme o resultado, o paciente é encaminhado para a avaliação da força muscular ou exames de densitometria corporal total e a bioimpedanciometria”, diz ela.

“Pode-se, por meio de um equipamento chamado dinamômetro medir a força de preensão palmar, considerando-se diminuição da força quando esta for menor de 27 kg para homens e menor de 16 kg para mulheres”, ensina o geriatria Marcelo Valente, acrescentando que, se no teste de se sentar e se levantar da cadeira, o paciente demorar mais de 15 segundos para completar 5 movimentos de subida já é considerada a diminuição da força muscular.

E claro, nos casos de relato espontâneo de quedas, fraqueza, lentidão e dificuldade para realização das atividades básicas da vida diária, Vanessa acredita que fica evidente a necessidade de avaliação da sarcopenia, sem a necessidade da aplicação do questionário.

Bons hábitos são fundamentais para tratamento e prevenção

O tratamento, segundo a reumatologista Vanessa Hax , é de longo prazo e geralmente implica na necessidade de uma mudança no estilo de vida do indivíduo. “Até o momento, não há medicamentos especificamente aprovados para o tratamento da doença. Porém, se iniciado precocemente, com estímulo muscular por meio de exercícios físicos e fornecimento de suporte proteico-calórico adequado, há chances, inclusive, de reversão do impacto negativo na qualidade de vida do paciente”, esclarece.

E, se for acrescentada aos exercícios físicos de resistência – indicados de acordo com as condições físicas de cada paciente – uma alimentação equilibrada a prevenção e o tratamento se tornam mais fáceis. “Uma alimentação equilibrada, com foco na quantidade de proteínas diárias é fundamental, sendo entre 1,2 a 1,5g/kg/dia para tratamento e entre 1 a 1,2 g/kg/dia buscando a prevenção, divididas entre as três principais refeições”, recomenda Marcelo Valente.

“O uso de
suplementos de proteína pode ser necessário quando a alimentação não é
suficiente para repor a quantidade de proteínas e calorias necessárias
especialmente entre idosos frágeis, mas sempre sob orientação médica”,
acrescenta Vanessa. Além
disso, a adaptação da casa é fundamental para facilitar a realização das
atividades da vida diária e evitar quedas, orienta a médica.

E, ainda
que não seja uma doença hereditária e comum do envelhecimento, Valente alerta
para algumas condições que estão associadas a um maior risco do desenvolvimento
de sarcopenia, tais como: alimentação inadequada, sedentarismo, hospitalização,
polifarmácia e presença de doenças crônicas como insuficiência cardíaca, doença
pulmonar obstrutiva crônica, depressão, demência, diabetes e oncológicas.

Por isso, a prevenção, por meio de um estilo de vida saudável e controle de doenças crônicas, é fundamental para o envelhecimento saudável. “Praticar atividades físicas e ter uma alimentação balanceada, com ingestão de calorias e proteínas em quantidades adequadas a cada fase de vida do indivíduo são os pilares principais na prevenção da doença”, conclui Vanessa

Fonte: semprefamilia.com.br

Sobre o autor

Avatar de Fábio Neves

Fábio Neves

Jornalista DRT 0003133/MT - O universo de cada um, se resume no tamanho do seu saber. Vamos ser a mudança que, queremos ver no Mundo