Grupo do Whatsapp Cuiabá
Autoajuda

Controlador ou cuidadoso: como identificar e lidar com esses comportamentos no casamento

2024 word2
CRM Com Automação Canal Mídia

Que horas você vai chegar? Já comeu? Quando você vai começar a praticar alguma atividade física? Estava falando com quem ao telefone? Você já marcou um médico? Por que você não vai dormir mais cedo? Todas essas são algumas das perguntas que já fizemos para a pessoa amada em um relacionamento, mas com qual objetivo: cuidado ou controle?

Siga o Sempre Família no Instagram!

Para responder a essa pergunta, primeiro precisamos distinguir as diferenças nas características de cada forma de comportamento humano. Maria Silvia Todeschi de Sousa, psicóloga de família e casais, explica que, na maioria das vezes, enquanto a pessoa cuidadosa tem a preocupação de assegurar o bem-estar e segurança de sua parceria, o controlador tende a desrespeitar a individualidade do outro, pois se preocupa apenas em aliviar as suas próprias inseguranças e atender suas necessidades.

“Quando
há respeito pela esfera individual e o foco é atenção e cuidado por e zelo
ao outro, trata-se de uma relação de cuidado. Entretanto, quando não há espaço
para a individualidade de alguém no casal e há necessidade de controle e
de dúvida e insegurança, trata-se de uma relação com algum tipo de
controle”, diferencia a especialista.

Impactos no relacionamento

Comportamentos de controle dentro de um relacionamento podem acabar, com o tempo, trazendo alguns impactos negativos, já que pelo padrão de comportamento do controlador ser o ataque, é enfrentado com contra-ataque ou afastamento. “Assim, se o outro, na tentativa de se defender, contra-, com críticas e fala mais explosiva, o casal passa a ter que lidar com conflitos constantes”, alerta Maria Silvia.

E, se diferentemente ele tende a se afastar do conflito, do controle ou de possíveis acusações das atitudes controladoras do seu cônjuge, o casal pode perder intimidade pela luta individual por espaço daquele que está sendo controlado. “Portanto, o comportamento de controle tende a colocar um casal em crise, seja por conflitos explícitos ou até mesmo por distanciamento e conflitos implícitos e silenciados”, indica a psicóloga.

A comunicação do casal é fundamental

Além de
identificar os comportamentos, Gisseli Cristina Teresin de Amorim, psicóloga
especialista em terapia familiar sistêmica, acredita ser imprescindível
expressar as próprias necessidades para o cônjuge, de maneira clara e
autêntica.

“Passamos
pela vida nos relacionando se tivéssemos de nos defender ou defender uma
suposta superioridade em relação aos outros, onde não cabe ‘estar por baixo’.
Mas, relacionar-se verdadeiramente implica em sermos vulneráveis, suportando
decepções e abraçando conflitos, sem medo de naufragar”, acredita ela.

Contudo,
Gisseli desabafa que grande parte de nós não foi criada dessa forma. “Não fomos
educados para nos comunicar com o outro expondo nossas vulnerabilidades, pelo
contrário, somos experts em julgamentos e cobranças. Simplesmente nos retiramos,
defendemos e imputamos ao outro a inabilidade em nos amar, encaixando-o em uma
das categorias de mau comportamento, como de ‘controlador’”, exemplifica a
psicóloga.

Porém, o
escritor Claudio Thebas, segundo ela, afirma que o custo de viver na defensiva
é alto e que quando nos colocamos diante do outro como um possível oponente a
ser combatido, acabamos por nos perder da nossa própria humanidade e nossa
capacidade de amar e sentir compaixão.

“Isso
significa que deixamos de nos conectar com nossas próprias necessidades e
sentimentos quando somos levados a estar sempre focando em autoproteção e no
suposto comportamento inadequado do outro. Nos perdemos de nós e perdemos ao
outro”, acrescenta Gisseli.

Por isso,
é importante que o diálogo seja baseado no retorno à percepção das próprias
necessidades e sentimentos e não nas queixas sobre o comportamento alheio. “O
que eu sinto quando você me diz algo ou se comporta de tal maneira é genuíno e
autêntico, ao contrário do meu julgamento sobre o seu caráter ou intenção por
traz de tal comportamento, que é inútil, equivocado e hostil”, destaca.

Assim,
para ela, todos nós podemos ter momentos em que seremos os controladores ou os
cuidadosos da ocasião, por isso “a saúde emocional está ligada à possibilidade
de comunicar um ao outro quando se sente controlado ou não se sente cuidado”.

E isso
pode ser feito expressando as necessidades de forma clara, revelando suas
vulnerabilidades e desconfortos pelo comportamento “controlador” para que ajude
o outro a compreender suas atitudes e tente mudar, orienta Maria Silvia. “Fazer
pedidos ao invés de acusações tende a dar um resultado melhor porque favorece
uma comunicação de qualidade. Sinalizar as próprias expectativas e necessidades,
dizendo como você se sente e o que você gostaria que o outro fizesse facilita o
processo de mudança e é a base de uma comunicação funcional”, salienta ela, que
entende a acusação como uma forma negativa de expressão para uma relação
saudável.

“É por esse motivo que precisamos nos libertar dos padrões de convivência onde somos juízes e reaprendermos a nos conectar com o que sentimos e precisamos, aí então nos relacionaremos de verdade, humano a humano, sem precisarmos de um checklist sobre o outro que nos dê a falsa sensação de proteção, conduzindo-nos contrariamente a um lugar de solidão e desamparo”, conclui Gisseli.

Fonte: semprefamilia.com.br

Sobre o autor

Avatar de Fábio Neves

Fábio Neves

Jornalista DRT 0003133/MT - O universo de cada um, se resume no tamanho do seu saber. Vamos ser a mudança que, queremos ver no Mundo