Grupo do Whatsapp Cuiabá
Política

Paulo Teixeira afirma: Governo Lula mantém interesse no leilão de arroz

2024 word2

O governo do presidente Luiz Inácio da Silva está considerando realizar um leilão para a importação de arroz, com o objetivo de aumentar a oferta e conter a alta dos preços, especialmente nos Estados do Norte e do Nordeste do Brasil.

“Os produtores garantiram preços baixos, mas estamos com uma pesquisa em todas as capitais, que indicam preços altos. Essa realidade está se estendendo muito. O governo não retirou de seu a decisão de fazer o leilão”, afirmou o ministro do Desenvolvimento Agrário, Paulo Teixeira, em entrevista ao jornal O Globo, publicada nesta quarta-feira, 10.

A afirmação contradiz declaração anterior do ministro da Agricultura, Carlos Fávaro, que disse que .

Para justificar um eventual leilão de arroz, o ministro citou uma pesquisa do Centro de Estudos Avançados em Aplicada (Cepea-Esalq) da Universidade de São Paulo segundo a qual os preços do arroz começaram a subir antes das inundações no Rio Grande do Sul, ocorridas em abril e maio.

O levantamento afirma que entre 13 de março e 9 de abril, o preço da saca de 50 kg passou de R$ 99,54 para R$ 100,65.

Quando a Companhia Nacional de Abastecimento () anunciou um leilão para a de arroz importado, o preço caiu de R$ 118,35 para R$ 112,34, mas agora está acima de R$ 114, segundo o govenro.

“Nosso sentimento é que não houve recuo de preços, embora os produtores tenham afirmado que não sofreram perdas com as enchentes”, disse Teixeira ao Globo.

+

O governo Lula insistia em que faltaria arroz no mercado, alegação afastada pelos produtores, já que antes das enchentes foi feita a colheita de mais de 80% do arroz produzido no Rio Grande do Sul. Agora, insiste na alta de preços. Se tivesse conseguido comprar arroz no leilão fracassado de junho, o governo tabelaria o preço do produto.

O pelo governo depois de diversas suspeitas de irregularidades — como favorecimento e participação de empresas sem experiência e sem capital social razoável — no procedimento. O secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Neri Geller, foi demitido por conta dessas suspeitas.

A intenção era comprar no mercado internacional 263 mil toneladas de arroz.

Agora, sem desistir da ideia, o ministro Paulo Teixeira afirmou que, se o governo decidir realizar um novo leilão, o edital será ajustado para evitar a participação de empresas sem experiência. “Não poderá entrar nenhum aventureiro”, disse Teixeira.

Desde o início do terceiro mandato do presidente Lula, o governo retomou a política de estoques reguladores, que havia sido abolida durante a gestão do ex-presidente Jair Bolsonaro. Até o momento, os armazéns da Conab contêm apenas milho, e o arroz seria o segundo item a ser estocado. Esse mecanismo permite ao governo ajustar a oferta e os preços conforme a necessidade.

Fonte: revistaoeste

Sobre o autor

Avatar de Redação

Redação

Estamos empenhados em estabelecer uma comunidade ativa e solidária que possa impulsionar mudanças positivas na sociedade.